Imobiliário Porto supera Lisboa na procura imobiliária

Porto supera Lisboa na procura imobiliária

A escassez de activos e o preço na capital estão a contribuir para uma maior procura de activos no Porto. O primeiro passo para uma tendência de descentralização, acredita a APEMIP.
Porto supera Lisboa na procura imobiliária
Negócios 20 de março de 2017 às 11:08

O Porto afirmou-se, pela primeira vez, como o distrito com a maior fatia da procura imobiliária em Portugal.

O cenário para o mercado residencial foi traçado esta segunda-feira, 20 de Março, pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).


A procura no Porto fixa-se este ano nos 39,6%, uma subida de 17,5 pontos percentuais face a 2014. Lisboa cai assim para o segundo lugar, com um peso de 23,1%. Já Faro ocupa a terceira posição, com uma evolução positiva para os 11,2%.


Segundo o presidente da APEMIP, Luís Lima, confirma-se uma previsão antiga. "O motivo central prende-se com a ausência de activos e com o aumento dos preços de mercado em Lisboa, que fizeram com que as intenções de compra se dirigissem para o distrito do Porto, que ainda tem uma oferta de 39,6%, uma diferença considerável para o distrito de Lisboa, em que a oferta é de 10,1%", explica.


Crente num cenário de descentralização do investimento, o representante das imobiliárias estima um crescimento na ordem dos 30% para o mercado português em 2017.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Excelente Há 1 semana

Levem daqui a estrangeirada o ano passado nem se conseguia andar com tanto turista, ide todos para o Porto.

Anónimo Há 1 semana

A única coisa que é urgente neste país em que o Estado se mete em tudo, e é o responsável pela ruína dos centros de Lisboa e Porto de que só agora, por via do turismo, se começa a recuperar, é liberalização e desregulação do mercado de arrendamento.

Anónimo Há 1 semana

Espero que o governo não ande a dormir relativamente a esta deriva imobiliária especulativa deixando o mercado à roda solta. É no arrendamento que irá incidir, e assim sendo, são os mais frágeis a pagar as favas. É urgente regulação acrescida dirigida a proteção de arrendatários.

pub
pub
pub
pub