Transportes Porto de Lisboa perdeu um quarto da mercadoria durante greve dos estivadores

Porto de Lisboa perdeu um quarto da mercadoria durante greve dos estivadores

O volume de mercadoria movimentada por via portuária caiu cerca de 25% no porto da capital no trimestre que coincidiu com o período de protesto dos estivadores. O transporte de passageiros cresceu em todos os meios.
Porto de Lisboa perdeu um quarto da mercadoria durante greve dos estivadores
Pedro Elias/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 12 de Outubro de 2016 às 12:06

O volume de mercadoria movimentada nos portos e transportada através das vias rodoviária, ferroviária e aérea caiu no segundo trimestre deste ano em relação ao período homólogo, mas o transporte de passageiros registou um aumento que chegou a ser de 10% nos metropolitanos.


Os dados da actividade de transportes são divulgados esta quarta-feira, 12 de Outubro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que dá conta de uma queda de 1% nas mercadorias movimentadas nos portos nacionais, que compara com crescimentos nos trimestres anteriores (3,9% entre Janeiro e Março e 2,7% nos últimos três meses de 2015).

Com 1.933 milhões de mercadorias movimentadas, o porto de Lisboa foi o que mais sentiu as quedas, ao perder 25,9% da carga em relação ao mesmo intervalo de 2015, um período que coincidiu com a greve dos estivadores, que arrancou a 20 de Abril e ficou resolvida no final de Junho. Aveiro também registou uma performance negativa, recuando 18,1%.


Entre os cinco maiores portos só Sines cresceu: 8,8%, para 11,9 milhões de toneladas. O porto alentejano é responsável por mais de metade do tráfego internacional de mercadoria por via marítima.

Os camiões transportaram em estrada também menos 1,7% em toneladas (apesar de a componente internacional ter crescido 4,3%), enquanto os comboios sentiram uma queda de 4,1%. Os aeroportos acompanharam o recuo, que no entanto se atenuou em relação aos trimestres anteriores, ao movimentar menos 1,5% em carga e correio.

Já no que diz respeito aos passageiros, o transporte fluvial no Tejo cresceu 1,7% enquanto o conjunto Ria Formosa, Minho, Guadiana, Aveiro e Dourou reforçou-se em 25,7%. O comboio viu o número de passageiros subir 2,1% para 33,6 milhões enquanto os metropolitanos de Lisboa, Porto e Sul do Tejo cresceram pelo quarto trimestre consecutivo: transportaram 57,6 milhões de pessoas, ou mais 10,1% em termos homólogos.


Os aeroportos movimentaram 12,06 milhões de passageiros – mais 11,2% mas ligeiramente abaixo do crescimento do trimestre anterior, de 13,4%, com Faro e Ponta Delgada a crescerem mais de 15% e Lisboa a subir 7,1%. As operadoras de Portugal (representando um terço do total), da Irlanda e do Reino Unido foram no conjunto responsáveis por quase 70% dos passageiros transportados por via aérea.

Os dados de passageiros transportados por via rodoviária não constam deste relatório de actividade dos transportes.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

pub
pub
pub
pub