Turismo & Lazer Porto trava obras para hostel na estação de São Bento

Porto trava obras para hostel na estação de São Bento

A autarquia, em conjunto com a Porto Vivo, embargou a obra na estação de comboios por não ter sido licenciada. Também não houve qualquer pedido formal para avançar com o projecto de um novo mercado Time Out naquele espaço.
Porto trava obras para hostel na estação de São Bento
Wilson Ledo 19 de Outubro de 2016 às 13:57

As obras que estavam em curso para instalar um novo hostel na estação de São Bento, no Porto, não foram aprovadas pela autarquia. O anúncio foi feito esta quarta-feira, 19 de Outubro, pela Câmara do Porto e pela sociedade de reabilitação urbana Porto Vivo após reunião camarária.

"A obra em curso para a construção de um hostel no local foi mesmo embargada", pode ler-se num comunicado da autarquia, cujo presidente, Rui Moreira, "não conhece qualquer projecto para o local".


Álvaro Moreira, presidente da Porto Vivo, sociedade onde a câmara da Invicta participa em 40%, confirmou que "a obra em curso para um hostel não tem licenciamento e que a mandou embargar a 18 de Outubro", esta terça-feira.


Rui Moreira acusa a Infraestruturas de Portugal, dona da estação de São Bento que este ano comemora o centenário, de entregar o projecto a uma entidade sem concurso público, uma acção que classifica como "imperial".


Em Janeiro foi anunciada a intenção da Infraestruturas de Portugal, à altura liderada por António Ramalho, de instalar naquela estação "num futuro próximo" um hotel e áreas comerciais e culturais. A medida constava no plano de dinamização da empresa pública, com nove mil metros quadrados em estudo.


Foi também noticiado o interesse da Time Out em instalar na estação de São Bento um projecto semelhante ao Mercado da Ribeira em Lisboa. "Não existe qualquer pedido de licenciamento", pode ler-se no comunicado, onde é dada conta apenas uma intenção de reunião.


A estação de comboios de São Bento recebe por ano cerca de 4.000 visitantes que não andam de comboio.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

como é possível?
PORTUGAL ÉW MESMO UM PAIS SEM LEI!
ENTÃO SE NÃO HAVIA LICENÇA, COMO FOI POSSIVEL O COMEÇO DAS OBRAS?
A MENOS QUE AS MESMAS PERTENÇAM A UM DOS DONOS DO PORTO!

comentários mais recentes
Fernando Cardoso Há 2 semanas

Já agora dêem cabo da estação e ponham lá turismo pé descalço. Vergonhoso.

Anónimo Há 2 semanas

como é possível?
PORTUGAL ÉW MESMO UM PAIS SEM LEI!
ENTÃO SE NÃO HAVIA LICENÇA, COMO FOI POSSIVEL O COMEÇO DAS OBRAS?
A MENOS QUE AS MESMAS PERTENÇAM A UM DOS DONOS DO PORTO!

Anónimo Há 2 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS ATUAIS PENSÕES SÃO PAGAS PELOS DESCONTOS DOS ATUAIS TRABALHADORES.

Os reformados, que hoje estão "entre os críticos mais vociferantes", "não descontaram o suficiente para as reformas que agora gozam", pelo que não faz sentido protestar contra os cortes "como se fosse um roubo nos montantes acumulados".

Se alguém pode dizer-se roubado, não são os atuais pensionistas, mas os seus filhos e netos, que suportarão as enormes dívidas acumuladas nos últimos anos.

pub
pub
pub
pub