Transportes Portos portugueses afundam no ranking da competitividade

Portos portugueses afundam no ranking da competitividade

As infra-estruturas portuárias nacionais apenas conseguiram melhorar num dos seis indicadores analisados pelo Banco Mundial. A Alemanha manteve a posição de liderança em 2015.
Portos portugueses afundam no ranking da competitividade
Bruno Simão
Negócios 17 de Outubro de 2016 às 10:20

Em apenas um ano, os portos portugueses caíram dez lugares, para a 36.ª posição, no Logistics and Performance Index (LPI) referente a 2015, um ranking de competitividade elaborado pelo Banco Mundial.

 

O tempo em espera dos navios foi o único dos seis indicadores analisados em que Portugal não recuou neste estudo comparativo sobre o desempenho logístico em 160 países, citado pelo Público esta segunda-feira, 17 de Outubro.

 

Qualidade das infra-estruturas, competência logística, envios internacionais e acompanhamento das cargas e envios foram os índices em que os portos nacionais mais perderam terreno para a concorrência.

 

Pelo terceiro ano consecutivo, o ranking é liderado pela Alemanha, enquanto o Luxemburgo ultrapassou a Holanda no segundo posto. Já a Suécia mantém a terceira posição neste estudo em que os portos portugueses obtêm o pior desempenho desde que estes dados passaram a ser registados, em 2010.

 
Esta queda no ranking de competitividade acontece num ano em que o volume de mercadorias movimentadas nos portos nacionais até atingiu um recorde de quase 84 milhões de toneladas. Face a 2014 houve um aumento de 7,9% e o principal destaque foi para Sines, com um crescimento homólogo de 17,6%.

Segundo divulgou a 7 de Outubro a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, o acréscimo de 6,16 milhões de toneladas de carga traduziu-se num aumento de 12,5% das importações e de 6,5% das exportações, enquanto o tráfego de cabotagem (navegação entre portos marítimos do mesmo país) registou uma quebra de 7,9%.


Logo no dia seguinte, no início de uma visita de quatro dias à China, o primeiro-ministro português referiu que ambiciona direccionar os investimentos chineses para novas áreas da indústria e também para os portos. Referindo-se ao "grande projecto chinês de rota marítima", António Costa destacou que "uma infraestrutura como o porto de Sines pode ter um papel essencial a desempenhar" nesse projecto do gigante asiático.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado matita42 Há 2 semanas

Será a 1a demonstração da política de por o sapo a coser em lume brando? Estou convencido que sim e isto vai acontecer em todo o país, vai-se aplicando um pouquinho de calor(lume brando) até não poder haver retrocesso.
O extraordinário é que isto está a acontecer em tudo, na vida nacional e o sapo prefere morrer a reagir.

comentários mais recentes
Camponio da beira Há 2 semanas

Os profissonais portugueses (nem todos, porque os magistrados foram expulsos de Timor) são muito bons ,especialmente no estrangeiro, onde não há "abebias" e aí ganham bom dinheiro.Cá, todos querem ser (ou parecer) como a maiora dos f.publicos.

Administrador Há 2 semanas

Os Portos portugueses são caros, para baixar custos prefiro Portos via Espanha ou Marrocos.

matita42 Há 2 semanas

Será a 1a demonstração da política de por o sapo a coser em lume brando? Estou convencido que sim e isto vai acontecer em todo o país, vai-se aplicando um pouquinho de calor(lume brando) até não poder haver retrocesso.
O extraordinário é que isto está a acontecer em tudo, na vida nacional e o sapo prefere morrer a reagir.

Anónimo Há 2 semanas


PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

pub
pub
pub
pub