Agricultura e Pescas Portugal capturou mais 20% de sardinha do que devia

Portugal capturou mais 20% de sardinha do que devia

Em seis anos, Portugal pescou mais 41 mil toneladas do que o aconselhado pelos cientistas. Hoje, o secretário de Estado das Pescas reúne-se com o seu homólogo espanhol para discutir plano de gestão da sardinha.
Portugal capturou mais 20% de sardinha do que devia
Miguel Baltazar
Manuel Esteves 25 de outubro de 2017 às 22:00
A captura de sardinha em Portugal tem excedido sistematicamente os limites aconselhados pelos cientistas. Segundo um levantamento do Negócios feito a partir do parecer do ICES, entre 2011 e 2016 Portugal e Espanha capturaram 252,3 mil toneladas de sardinha. Este número supera em 20% o que foi sendo recomendado ao longo dos anos por este organismo que aconselha a Comissão Europeia e os países europeus sobre esta matéria.

Se a comparação for feita entre os valores aconselhados pelo ICES e as capturas registadas na lota (que nem sempre coincidem com os valores estimados por aquele organismo internacional), o excesso de pesca é ligeiramente inferior, situando-se nos 16%.

Em 2016, primeiro ano completo do actual Governo, a divergência entre a recomendação científica e a captura efectiva calculada pelo ICES foi especialmente gritante. Nesse ano, Portugal e Espanha capturaram quase o dobro do que era recomendável: 22,7 mil toneladas (das quais quase 14 mil toneladas foram pescadas por Portugal), o que contrasta com os 12 mil definidos pelo ICES.

O ‘stock’ de sardinhas com mais de um ano tem estado a cair desde 2006. ICES
Parecer divulgado no dia 20 de Outubro

Mas como se pode ver no gráfico, nos últimos seis anos, só em 2013 é que Portugal e Espanha pescaram menos sardinha do que o recomendado. Nos outros anos excedeu-se sempre, prejudicando assim a sustentabilidade da espécie.

Este tema está de novo a marcar a actualidade depois de o ICES ter divulgado o seu parecer onde recomenda a suspensão total da pesca em 2018. Essa suspensão, prevêem os cientistas, permitiria uma recuperação de 12,6% do "stock" de sardinha. Ainda assim, ficaria muito abaixo da dimensão considerada aceitável do "stock" de sardinha: a suspensão elevaria o "stock" de sardinha a 171 mil toneladas, o que contrasta com os 293 mil verificados em 2009, o último ano em que se atingiu um valor considerado aceitável pelos cientistas.
Porém, esse não é o caminho escolhido pelo Governo. Em declarações aos jornalistas na sexta-feira, a ministra apontou como meta a captura de 14 mil toneladas de sardinha, o que permitiria "um crescimento expectável da biomassa de 5,8%", menos de metade do recomendado.

O Governo acredita que é possível seguir uma terceira via, reduzindo um pouco as capturas mas sem prejudicar excessivamente as comunidades piscatórias. A ideia é apostar em medidas complementares, tais como a definição de áreas onde é interdita a pesca, o aumento do período de defeso e ainda o lançamento de projectos de investigação.

Um retrato preocupante
No parecer divulgado na sexta-feira, o ICES faz um retrato preocupante sobre a situação da sardinha nas águas ibéricas. O "stock" de sardinhas "com mais de um ano está a cair desde 2006 e tem estado abaixo dos valores aconselháveis desde 2009". Como é que isto acontece quando o nível de capturas foi tão reduzido nos últimos anos? O problema está nos baixos níveis de recrutamento, ou seja, no número de sardinhas que conseguem transpor a fasquia de um ano de idade.

Pesca será proibida em algumas zonas 

Esta quarta-feira, a ministra do Mar levantou um pouco mais o véu sobre o que será o novo plano de gestão da sardinha, necessário depois de o ICES ter considerado, em Julho, tal como Negócios noticiou, que este "era não precaucionário", ou seja, incapaz de assegurar a sustentabilidade da espécie.

Em declarações feitas à margem da conferência "O valor dos Oceanos", a decorrer na Gulbenkian, em Lisboa, Ana Paula Vitorino afirmou que prosseguem "conversas e reuniões de reflexão com as comunidades piscatórias para juntamente com o IPMA, já com informação científica, se poder delimitar áreas em que não haverá pesca de todo, porque são áreas importantes para a reprodução da espécie".

Essas áreas situar-se-ão sobretudo nas zonas centro e Norte do país, adiantou a ministra. "Existem várias propostas em cima da mesa, maioritariamente na região centro, também existe alguma coisa no Norte", disse citada pela Lusa, esclarecendo que a discussão ainda não está encerrada.

Resta saber se a proibição da pesca nestas zonas especialmente propícias à reprodução da espécie é suficiente. É que os dados científicos indicam que a ameaça sobre a sardinha não está apenas na dificuldade de reprodução, mas sobretudo na capacidade de os peixes chegarem à idade adulta (acima de um ano) em que já podem reproduzir e conseguirem envelhecer (aspecto especialmente relevante nos peixes em que a fertilidade aumenta com a idade).

Entretanto, o Parlamento aprovou ontem, por unanimidade, a audição da ministra do Mar no âmbito de um requerimento do PSD. O deputado do PSD Cristóvão Norte destacou que é importante perceber se o Governo tem estado atento à matéria e se já fez as diligências necessárias junto da Comissão Europeia e do Governo espanhol. 






A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado TinyTino Há 3 semanas

Quando não houver sardinha depois choram

comentários mais recentes
ricky Há 3 semanas

O problema está bem exposto, foi abusarem sempre das recomendações sem qualquer preocupação. Agora veem-se entalados, mas com a fiscalização existente neste Pais, temo que a sardinha terá infelizmente os seus dias contados. E para mais breve do que se pensa.

Mr.Tuga Há 3 semanas

Não me canso de dizer: o tuga é um IMBECIL TROGLODITA que deveria ser ELIMINADO do planeta!
Um bronco CRIMINOSO que destrói tudo! Um TERRORISTA que destrói o próprio património ambiental.

Tuga BRONCO e SEM CIVISMO ou CIDADANIA não merece habitar o planeta, como se vê pelos INCÊNDIOS!

TinyTino Há 3 semanas

Quando não houver sardinha depois choram

Anónimo Há 3 semanas

Mais uma prova do desgoverno deste pais! 1o ano desde a entrada de funcoes do antigo governo que se aumenta a pesca, e que se lixe as cotas e as recomendacoes!! viva o PS, o BE e o PCP...

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub