Energia Portugal e Marrocos escolhem empresas para estudar auto-estrada de energia

Portugal e Marrocos escolhem empresas para estudar auto-estrada de energia

Lisboa e Rabat já escolheram as empresas que vão analisar os custos de construção do cabo submarino, e também qual a melhor localização para a sua instalação.
Portugal e Marrocos escolhem empresas para estudar auto-estrada de energia
Bloomberg
André Cabrita-Mendes 02 de janeiro de 2017 às 16:40

Portugal e Marrocos já escolheram as empresas que vão realizar o estudo de viabilidade da interligação eléctrica entre os dois países.

O estudo vai ter um valor total de 185 mil euros, dividido pelos dois países, e foi entregue ao consórcio composto pela empresa norueguesa DNV GL, à consultora Deloitte e ao INESC Porto. O concurso lançado em Setembro foi concluído em Dezembro.

Esta foi uma decisão conjunta dos governos de Portugal e do Reino de Marrocos, com este estudo a ter como "objectivo avaliar o potencial técnico e económico" do projecto, diz a secretaria de Estado da Energia em comunicado esta segunda-feira, 2 de Janeiro.

Esta interligação vai permitir a Portugal escoar a energia renovável produzida em Portugal e também vai possibilitar ao país diversificar as suas fontes de abastecimento.

O estudo vai analisar os custos de construção do cabo submarino, que pode ter a capacidade de mil megawatts (MW), mas também qual a melhor localização para a sua instalação.

Este projecto tem um custo estimado de 630 milhões de euros, segundo um estudo realizado em 2014 pelo consórcio Medgrid, entretanto extinto, que promovia as interligações entre a Europa e o Magrebe.

"A ligação física entre os dois países é uma medida considerada estratégica para Portugal", disse em comunicado o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.

"A sua concretização permitirá solidificar a aposta efectuada nas energias renováveis ao longo dos últimos anos e que se mantém como um objectivo prioritário da política energética deste Governo, fazendo de Portugal uma referência mundial nesta área", afirmou o governante.

Marrocos tem um ambicioso projecto em renováveis. Até 2030, o reino quer obter mais de 50% da sua electricidade a partir de energia verde, contando com 26 mil milhões de euros para apoiar projectos.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado alberto9 Há 3 semanas

Os portugueses pagam bem cara a energia electrica porque alguns governos do país decidiram que seriam os consumidores a comparticipar o investimento em energias renováveis. Agora que estão a estudar a venda de parte dessa energia, estou para ver se o preço de venda é a do mercado, ou seja, os portugueses vão financiar a energia electrica que será vendida a Marrocos. O mexilhão é que paga sempre tudo, até comparticipar os lucros de empresas que produzem para exportação. Acho que exista decoro neste assunto e que se acabe de vez com as comparticipações na produção de energia renovável

comentários mais recentes
alberto9 Há 3 semanas

Os portugueses pagam bem cara a energia electrica porque alguns governos do país decidiram que seriam os consumidores a comparticipar o investimento em energias renováveis. Agora que estão a estudar a venda de parte dessa energia, estou para ver se o preço de venda é a do mercado, ou seja, os portugueses vão financiar a energia electrica que será vendida a Marrocos. O mexilhão é que paga sempre tudo, até comparticipar os lucros de empresas que produzem para exportação. Acho que exista decoro neste assunto e que se acabe de vez com as comparticipações na produção de energia renovável

pub
pub
pub
pub