Banca & Finanças Portugal escapa ao desinvestimento da Generali

Portugal escapa ao desinvestimento da Generali

A garantia dada pela delegação portuguesa da seguradora Generali é de que o país não está integrado na dezena de mercados onde serão alienados negócios. O grupo segurador está em Portugal desde 1942.
Portugal escapa ao desinvestimento da Generali
Reuters
Wilson Ledo 23 de Novembro de 2016 às 14:59

Portugal não é um dos países integrados na decisão da companhia de seguros Generali de abandonar a sua operação em mais de uma dezena de mercados considerados pouco atractivos.

A garantia foi dada ao Negócios pela porta-voz do negócio português, depois de a agência Reuters ter avançado com a notícia esta quarta-feira, 24 de Novembro.


O grupo segurador está desde 1942 em Portugal, contando com mais de 350 colaboradores e 1.300 agentes. No ramo de segurador, conta com uma quota de mercado de 3,45%.


O objectivo da Generali com o novo plano é angariar cerca de mil milhões de euros com a alienação de negócios em mercados considerados mais fracos para a empresa italiana. A estes juntam-se outros 200 milhões em poupanças com custos de operação.


Por isso mesmo, a seguradora irá rever a sua presença em 13 a 15 países, negando contudo os rumores que davam conta da possibilidade de oito mil despedimentos em cima da mesa fora de Itália.


"Esse número não existe. Não há planos de despedimento ou reestruturação", afirmou o CEO Philippe Donnet, recusando o cenário de cortes em postos de trabalho. O grupo segurador conta com 76 mil trabalhadores em todo o mundo. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub