Banca & Finanças Portugal imune à reestruturação do Banco do Brasil

Portugal imune à reestruturação do Banco do Brasil

A operação em Portugal do banco brasileiro não será afectada pela reorganização levada a cabo pela instituição, que deverá cingir-se ao mercado brasileiro, garantiu ao Negócios fonte do banco.
Portugal imune à reestruturação do Banco do Brasil
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 21 de Novembro de 2016 às 17:47
A reestruturação anunciada para o Banco do Brasil, que pressupõe o encerramento de agências e a aposentação de empregados, não vai incluir Portugal.

A garantia foi dada ao Negócios por fonte da instituição brasileira, que afirma que "a reorganização é para agências do Banco do Brasil no Brasil".


De acordo com o site do Banco do Brasil a instituição está em Portugal há 44 anos, com duas agências, em Lisboa e no Porto, como "banco de relacionamento dos brasileiros residentes em Portugal e dos portugueses com vínculo com o Brasil".

A instituição vai propor a 18 mil dos seus trabalhadores que se reformem antecipadamente, além de ter decidido encerrar 402 agências e reduzir a importância de outras 379, anunciou o banco este domingo, 20 de Novembro.

As alterações vão poupar 750 milhões de reais (210,5 milhões de euros à cotação actual) e fazer corresponder a rede "ao novo perfil e comportamento dos clientes," afirmou a instituição em comunicado.


Dos 18 mil funcionários "aptos a aderir voluntariamente ao plano", o banco espera a adesão de cerca de metade: 9.300 pessoas.


O fecho das agências físicas será acompanhado com investimento no atendimento digital aos clientes, com a abertura de 255 agências digitais para atender quatro milhões de clientes.

A rede externa do banco é composta por 38 dependências localizadas em 23 países. O lucro da operação no exterior ascendeu a 348 milhões de reais no terceiro trimestre do ano. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Os banqueiros portugas estao sempre isentos deste mal,em caso extremo tem a doenca armenica(cholesterol) que os manda para o repouso com o salario inteirinho.

pub