Comércio Portugal lidera quebra das vendas a retalho em Agosto

Portugal lidera quebra das vendas a retalho em Agosto

Portugal foi o país do euro onde as vendas a retalho mais desceram em Agosto, face ao mês anterior. Na comparação com Agosto de 2016, subiram acima da média, mas desaceleraram.
Portugal lidera quebra das vendas a retalho em Agosto
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 04 de outubro de 2017 às 10:34

O volume do comércio a retalho em Portugal desceu 1,3% em Agosto, face ao mês anterior, revelou o Eurostat esta quarta-feira, 4 de Outubro. Esta foi a maior descida entre os países da União Europeia, seguindo-se a uma diminuição de 0,4% em Julho.

 

No bloco regional, este indicador ficou inalterado, enquanto na Zona Euro as vendas a retalho caíram 0,5% face a Julho.

 

O Eurostat justifica esta diminuição com a quebra de 0,9% das vendas de combustíveis, de 0,4% de produtos não alimentares e de 0,3% de alimentos, bebidas e tabaco.

 

Depois de Portugal, as maiores quedas deste indicador foram registadas na Áustria (-1%) e Bélgica (-0,9%) enquanto as maiores subidas aconteceram na Roménia (2,3%), Reino Unido (1,9%) e Malta (1,5%).

 

Apesar da descida mensal, em termos homólogos, Portugal assistiu a um aumento das vendas em Agosto. A subida foi de 2,8% face ao mesmo mês do ano anterior, uma evolução acima da média da eu (2%) e da Zona Euro (1,2%).

 

Ainda assim, este crescimento representa uma desaceleração face aos meses anteriores, em que o volume do comércio a retalho cresceu acima de 4%.

 

Na comparação homóloga, foi o aumento das vendas de produtos não alimentares (2,3%) em Agosto que mais impulsionou o indicador geral na Zona Euro.

 

Entre os Estados-membros da UE, a Roménia, a Eslovénia e Malta destacaram-se nas subidas, com aumentos de 15,8%, 7,5% e 6,9%. As únicas quedas ocorreram no Luxemburgo (-25,6%) e na Bélgica (-2,4%).




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub