Agricultura e Pescas Portugal produz menos 20% de cereais este ano devido à seca

Portugal produz menos 20% de cereais este ano devido à seca

A alimentação de animais tem estado a ser dificultada devido à situação de seca que o país vive. A falta de precipitação também afecta a produção de cereais. Já os pomares e os vinhos registam aumentos de produtividade.
Portugal produz menos 20% de cereais este ano devido à seca
Diogo Cavaleiro 18 de agosto de 2017 às 12:53

Trigo, centeio, cevada, aveia: Portugal deverá produzir menos cereais este ano devido à seca que se faz sentir no país. O Instituto Nacional de Estatística (INE) dá mesmo um número: uma queda em torno de 20% em relação ao ano anterior.

 

"As previsões agrícolas, em 31 de Julho, apontam para uma diminuição generalizada na produção de cereais de Outono/Inverno (globalmente cerca de -20%, face a 2016), consequência das condições adversas (temperaturas muito elevadas e baixos teores de humidade do solo) em que decorreu grande parte do ciclo cultural", assinala o destaque publicado esta sexta-feira, 18 de Agosto.

 

Falta de precipitação e excesso de calor são os motivos centrais. "O factor decisivo para esta fraca campanha foram as condições climatéricas adversas (baixos níveis de precipitação e elevadas temperaturas) registadas ao longo do ciclo, em particular nas fases reprodutivas, com impactos negativos também na qualidade do grão".

 

O INE escreve que a "conclusão da colheita dos cereais de Outono/Inverno nas regiões a sul do Tejo vem confirmar as previsões de decréscimo da produção face ao ano anterior". Há quebras de produção de 25% no trigo duro, o relevante para a produção de esparguete, e de 15% no trigo mole, de onde se fabrica pão e o mais importante no que diz respeito às toneladas produzidas em território nacional.

 

Tal como o Negócios já tinha dado conta, a alimentação dos pecuários está também a ser afectada pelas temperaturas que se fazem sentir, este ano, em Portugal, sobretudo devido à ausência de precipitação. "Regista-se ainda um acréscimo de explorações sem capacidade de satisfazer, com os recursos próprios, as necessidades de abeberamento dos efectivos pecuários, sendo cada vez mais frequente o transporte de água a partir de reservas de água pública, a realização de novas captações de água e a instalação de sistemas de energia e de bombagem de reforço nas captações existentes, situações que acarretam um aumento dos custos e dificultam o maneio dos efectivos".

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, já admitiu que antecipa "alguma normalidade" na actividade agrícola, mas que, no lado da pecuária, este é um ano "particularmente difícil".

Nas vindimas, as notícias não são necessariamente más. A produção deverá aumentar 10% em relação à campanha do ano anterior, sendo que, contudo, há "alguma expectativa sobre os efeitos da escassez de água na qualidade dos vinhos".

 

No lado das boas notícias, o INE também destaca os pomares, onde se esperam "colheitas com frutos de boa qualidade comercial" e se antecipa um aumento de 20% na produtividade da maçã, pêra e pêssego.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 5 dias

O impacto nao se faz sentir:nos ja estamos habituados a viver do importe,ate estranhamos se nao for assim.Esse capoulas tinha mais utilidade no meio dum campo de asas abertas assustar a passarada por forma a reduzir o estrago num pais onde nao se fala de outra coisa senao miseria.

pub
pub
pub
pub