Turismo & Lazer Portugal teve 18,2 milhões de turistas estrangeiros em 2016

Portugal teve 18,2 milhões de turistas estrangeiros em 2016

Os novos dados do INE fazem um retrato do turista estrangeiro que entra em Portugal. São 18,2 milhões, a que é preciso somar outros 10,1 milhões de visitantes que não dormem (mas gastam) no país.
Portugal teve 18,2 milhões de turistas estrangeiros em 2016
Miguel Baltazar
Wilson Ledo 07 de dezembro de 2017 às 15:27

Portugal registou 18,2 milhões de entradas de turistas estrangeiros em 2016. O número foi divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira, 7 de Dezembro.

É possível ainda adicionar o número de entradas de excursionistas, isto é, os estrangeiros que entraram em Portugal mas não dormiram no país. São 10,1 milhões. Assim, passaram as fronteiras nacionais – aéreas, marítimas e rodoviárias – 28,3 milhões de estrangeiros no ano passado.

Apesar de uma tendência de diversificação de destinos, os mercados mais tradicionais – Espanha, Reino Unido, França e Alemanha – pesam 66% da entrada de turistas estrangeiros em Portugal.

Combinando o número de turistas com excursionistas, Espanha representa mais de metade (68%) das entradas em Portugal, com 12,1 milhões de visitantes. O mesmo é dizer que entram por ano mais espanhóis que a própria população portuguesa. São 4,7 milhões de turistas e 7,5 milhões de excursionistas.

 

Por onde vêm? Para onde e porquê?

As fronteiras aéreas são utilizadas por 73% dos turistas e quase 2% dos excursionistas. A estrada representou 27% das entradas de turistas e 89% de excursionistas. Nesta última categoria, um milhão veio através de navios de cruzeiros.

O lazer é o principal motivo apontado, para mais de 70% das entradas de turistas. Segue-se a visita a familiares. "A ascendência portuguesa foi uma característica identificada em 23,4% das entradas de turistas em Portugal", pode ler-se no documento. Suíça, França e Brasil tiveram os pesos mais significativos.

A maioria das entradas foram já para revisitar Portugal, mantendo-se o cenário semelhante se analisados apenas os turistas sem ascendência portuguesa.

Portugal foi a primeira escolha em 16,1 milhões de entradas de turistas, ou seja, 88%. Quem visita o país tende a situar-se, sobretudo, na casa dos 25 aos 44 anos. O peso dos 45 aos 64 é semelhante. O turismo sénior, acima dos 65 anos, tem origens mais notórias nos países nórdicos, Brasil e Estados Unidos da América.

Os turistas tendem a vir em grupos, em média, com 2,55 pessoas. Os irlandeses, tanto por via aérea como rodoviária, são os que vêm mais acompanhados. Lisboa e Algarve são as regiões mais visitadas.

O Algarve é o destino preferido de britânicos e irlandeses. Lisboa tem-se destacado para italianos e brasileiros. O Norte reúne a preferência de suíços e franceses. Para alemães e nórdicos, a Madeira foi a região predilecta.

Quanto gastam?

Os turistas geraram 144,4 milhões de dormidas em Portugal, com quase metade a optar pelo alojamento privado gratuito (de familiares, por exemplo) e por residências secundárias.

Em média, cada turista gasta 95,7 euros por dia. O valor sobe quando vem de avião e diminui no caso das entradas por estrada. Brasil e Estados Unidos gastam acima da média: 166,4 e 146,1 euros, respectivamente.

Os dados do INE referem despesas associadas a viagens para Portugal na ordem dos 15,3 mil milhões de euros. Em lazer, os turistas gastam mais. Quando vindos de avião, gastam mais no transporte e no pacote turístico. Quando optam por estrada, a maioria dos gastos dá-se em alojamento, restauração e supermercados.


Os turistas avaliam a experiência em Portugal com 8,81 pontos em 10. Os Países Baixos e França avaliam abaixo da média. Estados Unidos, Reino Unido e Brasil acima.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub