Start-ups Português funda start-up na China com mira no mercado latino-americano

Português funda start-up na China com mira no mercado latino-americano

Radicado em Xangai há uma década, Pedro Aguiar trabalhou sempre em empresas grandes, até que no ano passado decidiu aventurar-se no mundo local das start-ups, animado pela crescente aposta da China na tecnologia e inovação.
A carregar o vídeo ...
Lusa 19 de dezembro de 2016 às 16:50

"Aqui, toda a gente ambiciona ter o seu próprio negócio", diz o empresário, de 35 anos, natural de Lisboa e a viver na China desde 2007. "É contagiante". Baptizada de GameBau, a empresa de Pedro Aguiar faz jogos para telemóvel e, apesar de ter sede em Xangai, a capital económica do país asiático, o seu alvo é a América Latina.

 

"É um mercado emergente e acreditamos que será uma grande potência na área 'mobile' e digital", refere Pedro Aguiar.

 

No escritório da GameBau, o português trabalha lado a lado com os seus 15 funcionários e o sócio chinês, desafiando o que é costume nas firmas locais, onde a chefia permanece numa sala à parte. As instalações incluem uma mesa de matraquilhos, consolas antigas e decoração de Natal. Nas paredes, estão expostas várias imagens de Lisboa, registadas pelo fotógrafo esloveno Tit Viscek.

 

"Tentamos criar um espaço confortável para toda a gente", comenta o empresário.

 

Formado em Engenharia de Telecomunicações e Computadores, Pedro Aguiar aterrou em Xangai para estagiar nos escritórios da multinacional francesa Alcatel-Lucent, através do programa InovContacto da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP). Sede de um município com cerca de 24 milhões de habitantes, Xangai é uma das mais cosmopolitas cidades da China, juntamente com Hong Kong.

 

Nove meses após concluir o estágio, Pedro conseguiu trabalho como assistente de produtor numa firma local de jogos para consolas.

 

"Nunca tinha trabalhado em jogos (...) mas dois meses depois de começar deram-me uma equipa com trinta chineses e seis meses para concluir um projeto", conta. A "vontade de controlar o futuro", "utilizar as próprias ideias" e "fazer algo novo", levaram-no a trocar o emprego estável por um projecto seu.

 

O investimento inicial na GameBau, no valor de nove milhões de yuan (1,2 milhões de euros), foi garantido três horas após a primeira reunião com um grupo de investidores em Shenzhen, o centro tecnológico da China, no sul do país.

 

"Ligaram-nos a dizer: 'Fiquem cá mais um dia que nós vamos assinar o contrato'", recorda Pedro Aguiar.

 

"Temos a componente chinesa, que dá confiança aos investidores, e o elemento estrangeiro, que dá segurança a um negócio escalável para fora da China", nota. Ao longo do seu percurso profissional no gigante asiático, o português assistiu a "uma evolução muito rápida dos acontecimentos", com Pequim a apostar agora tudo na inovação e tecnologia.

 

"Quem visita uma unidade da indústria pesada ficará com a impressão de que a economia está a enfraquecer", disse o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, em Março passado, no fim da sessão anual da Assembleia Nacional Popular.

 

"Porém, numa zona de empresas de tecnologia sente-se uma economia pujante", acrescentou.

 

Desde a Europa aos Estados Unidos, a nação asiática tem adquirido empresas importantes em ramos como a saúde, banca, logística, energia ou robótica, numa onda de investimentos que abrange também Portugal.

 

"Eles acreditam que ter um pé em todas essas indústrias dá acesso a conhecimento que depois pode ajudar as empresas aqui", diz Pedro Aguiar.

 

Os empreendimentos do português em Xangai não se limitam à indústria dos jogos: uma filha de um ano e um outro bebé que nascerá dentro de seis meses são os seus outros "dois projetos".

 

"Apesar das noites mal dormidas, continuo a ter energia", conta. "Como me sinto feliz, tenho vontade para acordar e alegria quando chego a casa".


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.12.2016


O BURACO ANUAL DA C.G.A CUSTA MAIS CARO… DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


comentários mais recentes
Anónimo 19.12.2016


O BURACO ANUAL DA C.G.A CUSTA MAIS CARO… DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


pub