Start-ups Portuguesas Inanoenergy e C2C-New Cap seleccionadas para fundo de empreendedores da Repsol

Portuguesas Inanoenergy e C2C-New Cap seleccionadas para fundo de empreendedores da Repsol

De 354 candidatos foram apurados 11 finalistas. Destes, oito foram seleccionados para serem acelerados com o apoio e mentoring da Repsol. Dois deles são de empresas portuguesas, que vão receber um apoio de 2.000 euros por mês durante um ano.
Portuguesas Inanoenergy e C2C-New Cap seleccionadas para fundo de empreendedores da Repsol
Paulo Zacarias Gomes 21 de setembro de 2017 às 12:49
Duas empresas inovadoras portuguesas estão entre os oito projectos seleccionados para o programa de aceleração empresarial da energética espanhola Repsol deste ano, podendo receber até 144 mil euros ao longo de um ano (dois mil euros por mês).

As startup portuguesas escolhidas são a Inanoenergy (microgeradores autónomos que convertem energia mecânica e térmica desperdiçada para criar electricidade) e a C2C-New Cap (que desenvolve superbaterias capazes de armazenar energia de forma mais segura).

A Inanoenergy, spin-off da Universidade do Porto liderado por João Ventura, está sediada no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, enquanto a C2C-New Cap, liderada por Rui Silva e André Mão de Ferro, tem base no Tagus Park, Oeiras. 

Segundo um comunicado enviado às redacções, os dois projectos portugueses estavam entre 354 candidatos ao Fundo de Empreendedores da multinacional, que promove iniciativas inovadoras no sector da energia e mobilidade.

Além do apoio financeiro, as empresas terão também o envolvimento de mentores para as acompanharem ao longo da aceleração, bem como serviços de assessoria técnica e legal e formação especializada e pontes com potenciais investidores.

A sexta edição do fundo apurou 11 finalistas e, entre estes, os oito projectos mais inovadores, onde se contam os dois portugueses.

Os outros seis projectos seleccionados são a Bulgeone (prevenção de deformações em equipamentos de refinarias), Finboot (automatização de transacções bancárias), Manganese Flow Batteries (baterias ultra-eficientes de magnésio e hidrogénio), CE-BOND (melhoria de segurança de poços de petróleo e gás), Muon systems (revisão de fornos sem necessidade de interromper produção) e Place to plug (gestão de pontos de carregamento de carros eléctricos).

Desde o lançamento do programa já foi possível acelerar 36 startup, que receberam mais de 16,5 milhões de euros em investimento público e privado. O apoio permitiu a realização de mais de 140 protótipos. No ano passado, as empresas aceleradas tiveram vendas de cerca de 2 milhões de euros, refere a Repsol no comunicado.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub