Banca & Finanças Portugueses na Venezuela lesados do BES e Banif pedem ajuda a Governo e PR

Portugueses na Venezuela lesados do BES e Banif pedem ajuda a Governo e PR

Um grupo de 120 portugueses a viver na Venezuela e que perdeu dinheiro nas resoluções do BES e do Banif enviou cartas ao primeiro-ministro e ao Presidente da República a pedir ajuda para uma situação que qualifica como catastrófica.
Portugueses na Venezuela lesados do BES e Banif pedem ajuda a Governo e PR
Miguel Baltazar
Lusa 11 de janeiro de 2017 às 11:03

A carta ao primeiro-ministro, António Costa, foi enviada já em Setembro e ao presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no final do ano, sendo que para já ainda não houve resposta oficial, segundo disse à Lusa um dos subscritores.

 

"A maior parte da comunidade portuguesa foi afectada pela resolução do BES [Banco Espírito Santo] e do Banif, vendo dissipadas todas as suas poupanças, através de esquemas bancários fraudulentos. Urge socorrer esta comunidade", lê-se na carta, a que a Lusa teve acesso, na qual os subscritores dizem passar por uma "catástrofe social e financeira", uma vez que aos impactos das resoluções de bancos se junta a situação difícil do país em que vivem.

 

Por isso, pedem a presença, com "carácter de urgência, de um representante do Governo português em Caracas" para se inteirar da situação e tentar encontrar alguma solução.

 

Sara Freitas, uma das subscritoras, disse à Lusa que em causa estão emigrantes portugueses que aplicaram o dinheiro poupado sobretudo em produtos do BES.

 

"A sucursal financeira exterior do BES no Funchal é que fazia estes contratos com os clientes. Mandavam gestores à Venezuela e contactavam com os emigrantes, que confiavam no BES, um banco com mais de 100 anos e que tinha muito prestígio, e pensavam que podiam confiar nas autoridades do seu país", explicou.

 

Sara Freitas não quis adiantar o dinheiro perdido por estes clientes, devido à insegurança que se vive na Venezuela, mas garantiu que há pessoas que ficaram "sem nada, que hoje vivem da ajuda da família".

 

A maior parte do dinheiro perdido foi no BES, que era mais "agressivo" na captação de poupanças, mas também há poupanças perdidas no Banif, afirmou.

 

A Venezuela vive uma situação de emergência económica e social que também atinge a comunidade portuguesa, que, por sua vez, foi afectada pelas resoluções do BES e do Banif.

 

A comunidade portuguesa na Venezuela tem mais de um milhão de pessoas, entre portugueses e lusodescendentes.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 11.01.2017

É uma tragédia mesmo. Alguns perderam dinheiro em sequestros, outros foram roubados, otros tiveram que fechar negócios pela crise econômica, alguns foram expropriados pelo governo da Venezuela. TODOS pensaram que em Portugal poderia ter as garantias e tranquilidade que perderam na Venezuela

Anónimo 11.01.2017

Para somar a esta tragédia ai que lembrar sempre que boa parte desses imigrantes são pessoas muito maiores que já estava a viver era de isso, da sua poupança, pessoas que já não trabalha E alguns estão enfermos.
Os outros os mais novos, pessoas que pensaram em fazer inversões em Portuga...

Camponio da beira 11.01.2017

Entre os lesados (das rendas congeladas) dos bancos, das inqualificáveis decisões (e falta delas) judiciais, das argoladas dos politicos, etc, somos um pais com quase 10 milhões de lesados.

Anónimo 11.01.2017

E os da África do Sul? Só BES e Banif? E o BCP?

pub