Comércio Portugueses propõem compra de cadeia britânica de vestuário

Portugueses propõem compra de cadeia britânica de vestuário

A Jaeger, que a 10 de Abril entrou em insolvência, terá ficado a dever milhões de libras a antigos fornecedores, entre os quais a Calvelex, que agora lidera um grupo de credores interessado em tomar as rédeas da companhia.
Portugueses propõem compra de cadeia britânica de vestuário
Negócios 21 de abril de 2017 às 17:36

A empresa têxtil portuguesa Calvelex, uma das credoras da Jaeger, propôs e está a negociar a compra desta cadeia de lojas de vestuário no Reino Unido, que se encontra em dificuldades financeiras.

A notícia, avançada pelo meio especializado na indústria têxtil Drapers esta sexta-feira 21 de Abril, é também referida pelo ECO. Em causa está, segundo o meio internacional, o interesse de um grupo de credores que ficaram com "milhões de libras em dívida" depois da empresa ter revelado dificuldades.

À cabeça da oferta está o dono da Calvelex, César Araújo, que forneceu a Jaeger durante mais de 20 anos. Esta semana, o responsável esteve em Londres em conversações com os actuais administradores de insolvência da empresa britânica.

Entre as propostas de Araújo está o desafio feito ao anterior dono e presidente da Jaeger, Harold Tillman, para que regresse à companhia e contrate novos colaboradores para voltar a tornar a empresa "líder mundial".

"Tenho o dever e a obrigação para com a marca, os empregados e os fornecedores," afirmou entretanto Tillman, disponibilizando-se para regressar aos comandos da companhia.

Já Araújo reclama uma mudança das leis de insolvência no Reino Unido, que deixam os fornecedores normalmente de "mãos a abanar", o que é "inaceitável" e dificulta a realização de negócios entre compradores britânicos e fornecedores estrangeiros.

Em declarações ao ECO, Araújo considerou que esta é uma "boa oportunidade de negócio para o meu grupo e para Portugal".

A 10 de Abril, membros da Alix Partners foram designados administradores de insolvência da companhia. No início da semana, a empresa anunciou o encerramento de 20 lojas e a redução do número de trabalhadores em 209 pessoas, entre o edifício sede, o centro de distribuição e a rede de lojas.

A empresa, fundada em 1884, tinha, antes de entrar em insolvência, 46 lojas, 63 concessões e 680 empregados. Em 2012 foi comprada pela Better Capital mas, segundo o The Guardian, não conseguiu devolver o lucro esperado.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Juca 21.04.2017

Este é o truque habitual em particular em indústrias como a do vestuário, construção civil, ... Sacam-se os produtos aos fornecedores, vende-se e depois abre-se falência. E até depois os mesmos criam nova empresa do mesmo ramo e nada se passa. É o socialismo na sua pujança.

Conselheiro de Trump 21.04.2017

O povo hoje nao veste,o povo ja anda vestido.Sera que nao a olhos na cara.