Comércio Portugueses estão a levar menos quantidade e a gastar mais nas compras da casa

Portugueses estão a levar menos quantidade e a gastar mais nas compras da casa

Um estudo da Centromarca mostra que, até Setembro, os portugueses foram menos vezes às compras, mas gastaram mais. Continuam fãs das promoções mas pouco adeptos das compras online.
Portugueses estão a levar menos quantidade e a gastar mais nas compras da casa
Bloomberg
Rita Faria 12 de Outubro de 2016 às 14:48

Nos primeiros nove meses do ano, os portugueses compraram menos quantidade mas gastaram mais dinheiro nos produtos de grande consumo, como bebidas e comida, face ao mesmo período do ano passado.

Esta é uma das conclusões da segunda edição do barómetro Marcas+Consumidores da Centromarca – Associação Portuguesa de Empresas de Produtos de Marca, apresentado esta quarta-feira, 12 de Outubro, em Lisboa.

Os dados mostram que, até Setembro, o mercado FMCG (bens de grande consumo) registou um aumento de 2,9% em valor face ao mesmo período do ano passado, a melhor evolução desde 2013. No entanto, o volume decresceu 0,6%, depois das quebras de 1,9% e 1,7% registada nos primeiros nove meses de 2015 e 2014, respectivamente.

De acordo com o barómetro, a categoria de frescos, com uma subida de 1% e a categoria de produtos para a casa (1,6%) foram as que mais impulsionaram o mercado.

"Se há sensivelmente um ano as famílias portuguesas davam prioridade à quantidade comprada, hoje a tendência parece ser a de levarem menos produtos para casa, ainda que isso não signifique pagar menos", afirma João Paulo Girbal, presidente da Centromarca. "E tal pode constatar-se pela redução ligeira, por parte dos consumidores, do tamanho da cesta a cada visita ao supermercado".

Além do volume e do valor gastos, também a forma de ir às compras mudou. Nos primeiros nove meses deste ano, a frequência da ida às compras desceu 0,4% para 41 dias (número de dias em que os portugueses fizeram compras para consumo no lar) mas o valor gasto em cada compra subiu 2,8% para 36,95 euros.

No que respeita ao sector das bebidas, as não alcoólicas registaram um aumento de 0,6% em volume, enquanto as bebidas com álcool caíram 0,9%.

Adeptos das promoções mas não muito fãs do "online"

Os portugueses preferem fazer compras nas lojas físicas. Até Setembro, as compras "online" cresceram 23,8% face ao mesmo período do ano passado. Porém, ainda representam menos de 1% do volume total.

83% das compras através da internet são feitas por mulheres, maioritariamente de Lisboa, da classe média e alta, e sem filhos ou com crianças pequenas.

No que respeita às promoções, praticamente todas as famílias portuguesas (99,8%) compraram pelo menos um artigo em promoção no período considerado, com sete em cada dez ocasiões de compra a incluírem pelo menos um artigo com desconto.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

CIDADÃOS decidem onde CORTAR… 3% da despesa do OE.

Alternativas:

1. Salários da FP

2. Pensões da FP

comentários mais recentes
Antonio Há 3 semanas

Claro que pagam mais e levam menos. Apesar de a inflação estar estagnada, os preços dos produtos nos supermercados não param de aumentar. Aumentam os preços e depois fazem promoções, mesmo assim ainda acima do preço original.

Anónimo Há 3 semanas

Noticia que vai provocar animosidades.

5640533 Há 3 semanas

O Continente, para não ficar atrás do Pingo Doce, começou a reduzir pesos sem reduzir preços.

Anónimo Há 3 semanas


O VERDADEIRO CRIME ORGANIZADO


ARMÉNIO CARLOS ROUBA OS TRABALHADORES DO PRIVADO

Vitória para uns, significa derrota para os outros.

As vitórias de Arménio Carlos traduzem-se sempre em mais privilégios para a FP e ...

mais impostos sobre os restantes trabalhadores, para sustentar esses privilégios.

ver mais comentários
pub