Imobiliário Ritmo de subida do preço de construção de casas novas estabiliza em Julho

Ritmo de subida do preço de construção de casas novas estabiliza em Julho

A evolução em relação ao mesmo mês de 2016 repete o ritmo verificado em Junho: uma subida de 1,5%, igualando a evolução anual mais reduzida desde o Outono de 2016.
Ritmo de subida do preço de construção de casas novas estabiliza em Julho
Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 06 de setembro de 2017 às 12:04
O índice de custos de construção de casas novas aumentou em Julho na mesma magnitude a que tinha crescido um mês antes: 1,5% em relação em mesmo período de 2016, fixando-se em 139,46 pontos.

A estabilização da taxa de variação, divulgada esta quarta-feira, 6 de Setembro, ocorreu apesar de uma aceleração ligeira na comparação mensal: entre Maio e Junho o índice tinha crescido 0,1%, enquanto de Junho para Julho subiu 0,2%.

As taxas de variação dos índices de componentes de mão-de-obra e de materiais também se fixaram em ritmos de crescimento semelhantes aos de Junho, 2,1% e 0,7% respectivamente.

Por tipologias, os apartamentos e as moradias mantiveram o ritmo de subida que vinha de Junho, avançando ambos 1,5% em termos homólogos, para 139,68 pontos e 139,14 pontos respectivamente.

Se na construção de novos edifícios as taxas estabilizaram, já na manutenção e reparação de casas novas no continente a tendência foi de abrandamento na evolução dos preços. O crescimento homólogo em Julho foi de 2,6% (abaixo dos 2,8% de Junho, evolução que tinha sido a maior subida percentual da série desde, pelo menos, Junho de 2015). 

Norte, Lisboa e Algarve foram as únicas regiões em que a variação homóloga em Julho foi inferior à do mês anterior, enquanto no Centro o ritmo de crescimento se manteve e no Alentejo o ritmo de queda estabilizou.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar