Imobiliário Preços da habitação registam maior subida em cinco anos

Preços da habitação registam maior subida em cinco anos

Os alojamentos existentes puxaram pelo aumento do valor e também do número de transacções entre Julho e Setembro. O Algarve foi a única região a contrariar a dinâmica de crescimento do indicador de vendas.
Preços da habitação registam maior subida em cinco anos
Miguel Baltazar
António Larguesa 19 de dezembro de 2016 às 12:25

O Índice de Preços da Habitação (IPHab) aumentou 7,6% no terceiro trimestre de 2016 em relação ao período homólogo, segundo os dados publicados pelo INE, que explica este "elevado crescimento (…) sobretudo pelo comportamento verificado nos preços dos alojamentos existentes", que avançaram 9,1% entre Julho e Setembro.

 

A progressão divulgada esta segunda-feira, 19 de Dezembro, corresponde "à taxa mais elevada da série disponível", que arrancou no terceiro trimestre de 2011. Já na análise em cadeia, este foi o sexto trimestre consecutivo com variações positivas. Face ao período entre Abril e Junho, o índice cresceu 1,3%, sendo que os preços dos alojamentos existentes superaram em 1,4 pontos percentuais (pp) o registado para os alojamentos novos.

 

O INE destaca ainda que foi no terceiro trimestre deste ano que estes dois segmentos de mercado registaram um maior diferencial no ritmo de crescimento (4 pp) ao longo dos últimos cinco anos. "O aumento dos preços das habitações observou-se em ambos os segmentos de mercado, com os alojamentos novos a registarem uma taxa de variação [média anual do IPHab] de 3,7% e os alojamentos existentes de 7,7%", detalha a mesma nota.

 

E foram precisamente os alojamentos existentes que mais puxaram pelo crescimento (15,8%) do número de transacções entre Julho e Setembro, representando 84% do total de 31.535 operações. Pelo segundo trimestre consecutivo, atingiram "os mais elevados registos da série disponível", que arrancou no terceiro trimestre de 2011, e desde o terceiro trimestre de 2014 que crescem a um ritmo superior ao dos alojamentos novos.

 
Lisboa e Norte concentram transacções no Verão

Em valor, os alojamentos transaccionados no terceiro trimestre ultrapassaram os 3,6 mil milhões de euros, o que se traduz numa subida homóloga de 17,6%. Mais uma vez, o segmento dos alojamentos existentes "continuou a ser o único impulsionador do crescimento do valor das transacções". É que, em comparação com igual período do ano passado, o valor nos alojamentos novos até regrediu 4,3%.

 

Na comparação regional, a Área Metropolitana de Lisboa voltou a superar pelo terceiro trimestre consecutivo a barreira das 10.000 transacções (10.756), tendo concentrado nestes meses 47,4% do valor total dos alojamentos transaccionados. Também a região Norte, com um total de 9.518 vendas de alojamentos, "atingiu o mais elevado registo de transacções verificado desde o quarto trimestre de 2010".

 

O INE destaca ainda que os Açores voltaram a ser a região onde o aumento do número de vendas de alojamentos familiares foi o mais expressivo (36,4%), enquanto o Algarve foi "a única a contrariar a dinâmica de crescimento do indicador de vendas de alojamentos, tendo registado uma redução de 0,4% no número e de 5,1% no valor".


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.12.2016


Ladrões PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

comentários mais recentes
joao andrade 20.12.2016

devia uma unica entidade a controlar desde o inicio os negocios do estado juntamente com MP, ajustes directos e outros.
nao se entende um governante que ao ser nomeado jura defender os interesses do estado e dos portugueses e de seguida roubam em proveito proprio .deviam ser presos de imediato

Anónimo 19.12.2016


Ladrões PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

Anónimo 19.12.2016

zimbora. continuem a entornar credito à malta q aqui o je agradeçe. toca a subir fáxavor.

pub
pub
pub
pub