Indústria Prejuízos da Martifer aumentam para 43,6 milhões

Prejuízos da Martifer aumentam para 43,6 milhões

A Martifer agravou os prejuízos em mais de 43 milhões em 2016, quando comparado com o mesmo período do ano anterior.
Prejuízos da Martifer aumentam para 43,6 milhões
Correio da Manhã
Sara Antunes 13 de abril de 2017 às 18:30

A Martifer fechou 2016 com um prejuízo de 43,6 milhões de euros, o que compara com os 500 mil euros negativos registados um ano antes. Os números foram conhecidos através de um comunicado emitido esta quinta-feira, 13 de Abril, para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

No período em análise, a Martifer registou uma queda de 14% dos proveitos operacionais, terminando o período com 217,1 milhões de euros de proveitos. A unidade de construções metálicas representa 71% dos proveitos (202,3 milhões).

 

Já o EBITDA diminuiu 61,4% para 4,4 milhões de euros. Quando analisado o EBITDA ajustado, a queda é de 14,9% para 9,7 milhões.

 

A empresa liderada pelos irmãos Martins diz ter uma carteira de encomendas no valor de 239 milhões de euros, com a área naval (para a Europa Ocidental) a representar 42% deste valor. No dia 16 de Março, o Negócios noticiou que a Douro Azul estava a negociar com a Martifer a construção três embarcações, que podem representar receitas adicionais de 65 milhões para a Martifer.

 

A empresa adianta que prevê o "reforço da carteira de encomendas nas áreas naval e alumínios", bem como uma "estratégia de crescimento sustentável no segmento renewables", de acordo com o comunicado. Além disso, estimam um reforço da presença internacional.

 

Nos planos do grupo está também a redução "do endividamento através da alienação de activos" não estratégicos, não adiantando pormenores. O "redimensionamento e a adequação da estrutura" também fazem parte das perspectivas futuras. 

No Verão do ano passado, a Martifer vendeu a Martifer Solar por nove milhões de euros aos franceses Voltalia.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 15.04.2017

PENSEI QUE JÁ ESTAVAM PRESOS... ARRE.!!!

Anónimo 14.04.2017

e anda esta aberração a disparar a subir aos 10% em bolsa. O pessoal adora falidas.
Casino total.

Anónimo 14.04.2017

MAS, AFINAL, ESTA EMPRESA MANHOSA E RASCA AINDA EXISTE ???? PENSAVA QUE JÁ TINHA FALIDO HÀ MUITO TEMPO.
EMPRESAS, COMO ESTA, QUE DÃO PREJUÍJOS CONSECUTIVAMENTE, DEVIAM SER ENCERRADAS DEFINITIVAMENTE ..................

Anónimo 13.04.2017

Que tristeza, ......sem comentários. Os empresários Portugas............sempre com prejuízos....porque será?

ver mais comentários