Banca & Finanças Presidente da ATM não vê "conflito de interesses" entre nova presidente da CMVM e BPI 

Presidente da ATM não vê "conflito de interesses" entre nova presidente da CMVM e BPI 

Octávio Viana diz que a escusa de Gabriela Figueiredo Dias em decidir-se sobre o BPI não se justifica porque o seu pai não tem funções executivas no banco.
Diogo Cavaleiro 27 de Outubro de 2016 às 11:33

O presidente da associação de pequenos investidores, Octávio Viana, não vê qualquer conflito de interesses entre a futura líder da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e o BPI. 

 

Este fim-de-semana, o jornal Eco noticiou que Gabriela Figueiredo Dias pediu escusa de decisões relativas ao BPI, que se encontra sob uma oferta pública de aquisição lançada pelo CaixaBank, por o seu pai ser membro do conselho fiscal daquele banco português. 

 

"A posição do pai não é executiva, não há conflito de interesses", contrapõe Octávio Viana. O presidente da ATM percebe contudo que Gabriela Figueiredo Dias não queira tomar decisões. O que não quer dizer que não se inteira do tema. Aliás, segundo o próprio, a ATM já se reuniu com a ainda vice-presidente do BPI e com Carlos Tavares para falar sobre o tema. 

 

"Acho que é uma pessoa com rectidão, sabe muito bem a sua função", elogiou ainda Octávio Viana. 

 

O BPI é, neste momento, o assunto que tem concentrado atenções da ATM. Em representação de 4% do capital, a associação defende uma subida do preço de 1,134 euros por acção oferecido pelo CaixaBank para 3,15 euros, aquele que a ATM diz ser o preço justo por acção do BPI. Esse preço inclui a venda de 2% do Banco de Fomento Angola, que implica a perda de controlo daquela instituição financeira angolana. Da CMVM, a ATM quer que nomeie um auditor independente para avançar outro preço para o BPI acima do actualmente pago na OPA. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub