Banca & Finanças Presidente da Bolsa a caminho da Caixa

Presidente da Bolsa a caminho da Caixa

Maria João Carioca aceitou convite para integrar a equipa de Paulo Macedo na administração da Caixa, de onde tinha saído para a Euronext Lisbon.
Presidente da Bolsa a caminho da Caixa
Pedro Catarino/Correio da Manhã
André Veríssimo 09 de dezembro de 2016 às 10:23

A presidente da gestora da bolsa de Lisboa está a caminho da gestão da CGD, avança o Jornal Económico. Maria João Carioca foi convidada por Paulo Macedo e já aceitou o desafio. Contactada pelo Negócios, fonte da Euronext Lisbon prefere não fazer, por ora, quaisquer comentários.


Maria João Carioca é presidente executiva da Euronext Lisbon desde 1 de Junho, substituindo Luís Laginha de Sousa. Com o convite de Paulo Macedo, regressa a uma casa que já conhece. Antes de ir para a bolsa era administradora executiva na equipa de José de Matos, que liderou a Caixa até Agosto deste ano.

A entrada na gestão do banco público aconteceu em 2013, como responsável pelas áreas de tecnologias de informação, operações, organização e marketing. José de Matos foi buscá-la à comissão executiva da SIBS Pagamento. O currículo informa que é formada em Economia pela Universidade Nova de Lisboa, tem um MBA pelo INSEAD e fez o programa "Leading Change and Organizational Renewal" da Harvard Business School.
 

O convite surgiu esta semana e com o pedido de uma resposta célere, a que Maria João Carioca deu o sim. Falta apenas a luz verde do Mecanismo Único de Supervisão, do Banco Central Europeu. Contactada pelo Negócios, fonte da Euronext Lisbon não quis comentar a notícia da saída da presidente da Bolsa, no cargo à pouco mais de cinco meses.


Por ora o Governo ainda só confirmou o nome do novo presidente executivo, Paulo Macedo, e do "chairman", Rui Vilar. Outro nome que parece seguro para a equipa executiva é o de José João Guilherme, antigo administrador do BCP e do Novo Banco.

Conforme o Negócios escreve na edição de hoje, a prioridade de Paulo Macedo é fechar a equipa de administradores executivos, para depois avançar com a escolha dos não executivos.


A saída de António Domingues da liderança da Caixa e de seis administradores (três executivos e três não executivos), anunciada a 27 de Novembro, obrigou o Governo a reabrir um processo de recrutamento de gestores para o banco público.


(Notícia actualizada às 10:50)




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JCG 11.12.2016

Esta fulana estava há poucos meses na Bolsa, antes foi gestora na CGD.

Parece líquido que alguns dos milhares de milhões perdidos resultaram de má gestão e até de actos criminosos na concessão de crédito.

Falou-me numa auditoria e em apuramento de responsabilidades.

Bom, a senhora fazia parte da gestão da CGD e a CGD praticou actos de gestão danosa. Suponho que há uma possibilidade de a Carioca ter responsabilidades em tais actos (eu é que não tenho porque não estava lá). Como é possível essa fulana ser agora chamada à gestão da CGD se por hipótese ainda pode ser responsabilizada pela má gestão anterior?

Quem é que convidou tal pessoa? quem é que neste país pode explicar melhor a quem convidou a Carioca o que é ou deve ser um Estado de Direito? Foi o Macedo que a convidou? A hipótese é elevada. O que é que isto significa quanto à credibilidade do Macedo?

Porque é que toda a gente faz coro a elogiar as passagens de Macedo e esquecem sempre a sua passagem pelo BCP?

JCG 11.12.2016

Vive-se um autêntico paradoxo: por um lado, há a ideia instalada de que para dirigir um banco é preciso ter experiência de gestão de outros bancos (coisa que para mim não é líquida, mas eu não conto); pelo outro, encontrar hoje indivíduos com experiência de gestão de outros bancos portugueses é algo que mais que currículo devia ser visto como cadastro. Das duas, uma: ou esse indivíduos conviveram confortavelmente com a
má gestão que arruinou quase todos os bancos maiores - incluindo Paulo Macedo - ou então não tiveram a ética e a dignidade de se terem demarcado em tempo oportuno e em consequência revelam falta de carácter e não merecem confiança.
Vejam de onde vinham os escolhidos do Domingues e vejam de onde vêm os escolhidos do Macedo.

Volta? 10.12.2016

Com o devido respeito a nossa banca não precisa de quem falha e provoca imparidades. Esta gente "volta" quando é precioso gente nova.

Anónimo 09.12.2016

QUE MULHER SENSUAL.....

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub