Banca & Finanças Presidente da CGD considera que banca não voltará ao crédito fácil

Presidente da CGD considera que banca não voltará ao crédito fácil

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) considerou hoje que o sistema bancário não vai regressar ao crédito fácil, como no passado, considerando que há mais rigor na análise dos devedores, até pelas exigências da regulação.
Presidente da CGD considera que banca não voltará ao crédito fácil
Lusa 19 de dezembro de 2017 às 22:14

"Não vamos voltar ao que aconteceu", disse Paulo Macedo, durante o X Encontro Fora da Caixa, em Lisboa, respondendo à questão do moderador Ricardo Costa, jornalista e diretor-geral de informação do group Imprensa (SIC, Expresso), sobre se a banca está a caminho dos excessos do passado.

 

O presidente da CGD considerou que os bancos mudaram muito em dez anos, quer em "rigor na concessão de crédito", quer pelas "exigências de capital" feitas pelos reguladores, uma vez que há créditos que podem penalizar o capital.

 

Além disso, afirmou, há menos riscos de atualmente se chegar a uma situação crítica de dificuldades de pagamento pelos devedores, uma vez que as taxas de juro estão em níveis historicamente baixos, pelo que mesmo que as taxas subam (o que os analistas preveem que aconteça em 2019 ou 2020) há ainda capacidade de famílias e empresas acomodarem esses aumentos.

 

Paulo Macedo disse ainda que a mudança não é apenas face há dez anos e que, mesmo em dois anos que muita coisa mudou na indústria bancária, dando como exemplo as exigências que o Banco Central Europeu faz aos administradores dos bancos e as regras dos comités de crédito relativamente a conflitos de interesse "como nunca tiveram no passado".

 

O Banco de Portugal pediu cuidado aos bancos na concessão de crédito, sobretudo crédito à habitação, avisando que muitas famílias podem não conseguir pagar a dívida de futuro, e anunciou mesmo que estava a ponderar adotar medidas para restringir acesso a crédito a devedores muito endividados.

 

O presidente do banco público foi ainda questionado sobre o impacto das 'fintech' (empresas tecnológicas de serviços financeiros) nos bancos, tendo dito que a CGD tem vindo a apostar na digitalização e em sistemas de análise de informação com vista a criar produtos adaptados as necessidades dos clientes.

 

Contudo, afirmou Paulo Macedo, é preciso saber avaliar as áreas em que as 'fintech' querem aturar, considerando que estão sobretudo interessadas em entrar no negócio dos bancos que é rentável, como serviços de pagamentos e crédito rápido (por exemplo, crédito ao consumo).

 

"Já das áreas 'core' dos bancos, as 'fintech' fogem como o diabo da cruz", afirmou, referindo-se aos depósitos (uma vez que têm elevada regulação e implicam grandes montantes de capital) e a créditos a médio e longo prazo. "A banca tem de servir melhor na área de segurança, nos depósitos, e servir melhor na relação duradoura", considerou. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Cantas bem, ó Macedo … 20.12.2017

Cantas bem, mas não me alegras -lá dizia o Tolentino.
E não me alegras porquê, ó Macedo ?
Porque no que me é dado ver e compreender, até agora só vi principalmente serem tomadas na CGD medidas pela negativa, e não aquelas medidas pela positiva (antes de mais um Plano Estratégico à medida das tradições de Qualidade da CGD, e à medida do que se espera hoje na Europa), que eu esperaria de alguém com as tuas credenciais e escola de dinamismo do BCP.
E de dinamismo, de motivação, de ambição de servir os clientes, de criatividade, ò Macedo, não me chegam sinais, mas antes um lúgubre silêncio de cemitério.
Neste momento esperava mais!
Esperava os teus Colaboradores fortemente motivados e a competir ombro a ombro com a melhor concorrência; esperava que não houvesse excesso de capitais próprios (CP) em actividades em que a legislação o não exige (quando estás a pagar 12% a fundos abutres para ter mais CP!) etc.
Quem espera, desespera, e que tal não se prolongue por 2018, são os meus Votos.

comentários mais recentes
Cantas bem, ó Macedo … 20.12.2017

Cantas bem, mas não me alegras -lá dizia o Tolentino.
E não me alegras porquê, ó Macedo ?
Porque no que me é dado ver e compreender, até agora só vi principalmente serem tomadas na CGD medidas pela negativa, e não aquelas medidas pela positiva (antes de mais um Plano Estratégico à medida das tradições de Qualidade da CGD, e à medida do que se espera hoje na Europa), que eu esperaria de alguém com as tuas credenciais e escola de dinamismo do BCP.
E de dinamismo, de motivação, de ambição de servir os clientes, de criatividade, ò Macedo, não me chegam sinais, mas antes um lúgubre silêncio de cemitério.
Neste momento esperava mais!
Esperava os teus Colaboradores fortemente motivados e a competir ombro a ombro com a melhor concorrência; esperava que não houvesse excesso de capitais próprios (CP) em actividades em que a legislação o não exige (quando estás a pagar 12% a fundos abutres para ter mais CP!) etc.
Quem espera, desespera, e que tal não se prolongue por 2018, são os meus Votos.

Roubos de com. manut. a reformados e condomínios 19.12.2017

Com as medidas q estás a tomar, na gestão da CGD, também eu seria um gestor de topo ... roubando ao universo dos pequenos, enquanto aos criminosos de colarinho branco CARLOS SANTOS FERREIRA, ARMANDO VARA não são pedidas responsabilidades pelas suas gestões perdulárias e por terem destruído a CGD.

pub