Banca & Finanças Presidente da SIBS preocupada com "novo imposto" sobre pagamentos com cartões

Presidente da SIBS preocupada com "novo imposto" sobre pagamentos com cartões

A presidente executiva da SIBS, Madalena Cascais Tomé, manifestou hoje preocupação com "um novo imposto" sobre métodos electrónicos de pagamento, numa referência aos 4% de imposto de selo cobrado sobre as comissões relativas a pagamentos com cartões.
Presidente da SIBS preocupada com "novo imposto" sobre pagamentos com cartões
Correio da Manhã
Lusa 09 de fevereiro de 2017 às 20:22

"Nós, como prestadores de pagamentos electrónicos, preocupamo-nos com o facto de existir um imposto novo sobre um serviço que acreditamos que tem um contributo muito importante para a eficiência da economia", disse à responsável, à margem de uma conferência em Lisboa sobre pagamentos digitais.

 

Sublinhando que a cobrança não é directamente accionada pela SIBS (que gere a rede Multibanco) e que se trata de um "imposto que está a incidir sobre uma actividade e é aplicado sobre os beneficiários desse serviço", Madalena Cascais Tomé afirmou a preocupação com o "imposto adicional".

 

O PS já informou que vai apresentar uma proposta para "desonerar o comércio e a restauração na utilização dos meios electrónicos de pagamento".

 

Estimando que a subida do imposto de selo sobre as comissões relativas a pagamentos com cartões pudesse representar um encargo anual de 3,6 milhões de euros para os seus associados, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) tem insistido para que sejam os bancos os responsáveis pelo custo do imposto de selo.

 

A AHRESP também referiu que a aceitação de cartões como meio de pagamento deverá representar uma factura de cerca de 85 milhões de euros em comissões.

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub