Aviação Presidente da TAP espera resultado positivos em 2016

Presidente da TAP espera resultado positivos em 2016

Fernando Pinto admitiu que se 2016 tivesse terminado em Novembro a TAP teria um resultado poistivo. Apesar de sublinhar que o mês de Dezembro é sempre uma incógnita, manifestou a expectativa que a companhia saia do vermelho.
Presidente da TAP espera resultado positivos em 2016
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Babo 06 de dezembro de 2016 às 16:50

O presidente da TAP, Fernando Pinto, afirmou esta terça-feira, num encontro com jornalistas, que as incógnitas sobre como vai ser o mês de Dezembro para a companhia não permitem avançar projecções para os resultados de 2016, mas sublinhou esperar que "sejam positivos".

O responsável recordou que no ano passado os prejuízos apresentados pela companhia aérea foram influenciados pela Venezuela, operação que obrigou a empresa a reconhecer 100 milhões de euros de perdas.

"Se não fosse isso, o nosso resultado tinha sido muito perto do equilíbrio", frisou Fernando Pinto, acrescentando esperar "que este ano seja melhor do que no ano passado".

"Não temos a certeza do resultado final", admitiu o presidente da companhia, sublinhando que "o mês de Dezembro é sempre uma dúvida" pelo facto de ter picos. Ainda assim, revelou que se o ano terminasse em Novembro o saldo seria positivo para a TAP.


"Tem valido a pena apostar numa atitude comercial mais agressiva. Esperamos que traga bons resultados", afirmou o presidente da TAP que anunciou esta terça-feira seis novas rotas para 2017.

Fernando Pinto garantiu que as rotas que a companhia opera actualmente se vão manter e que, para além da abertura de ligações para Toronto, Las Palmas, Alicante, Estugarda, Budapeste e Bucareste, "ainda abriremos mais rotas no próximo ano".

Questionado sobre a proveniência dos aviões que vão assegurar o reforço de rotas, designadamente de longo curso para o Canadá, o presidente da TAP afirmou que virão de outras empresas, mas não da brasileira Azul, de David Neeleman, "que não tem disponíveis". "Estamos vendo outras hipóteses, estamos em negociação final", afirmou.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 07.12.2016

Este ano fernando pinto espera resultado positivo,Podera: agora está na mão de privados e tem que apresentar resultados porque o patrao exige.Enquanto era dos estado vamos pra queimar e doa a quem doer. Agora tem que dar quartilho e meio com a amarela, senão vai para a RUA.

Anónimo 06.12.2016


OS FP / CGA SÃO TODOS LADRÕES

O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub