Banca & Finanças Presidente desvaloriza crescente presença de capitais espanhóis na banca portuguesa

Presidente desvaloriza crescente presença de capitais espanhóis na banca portuguesa

O Presidente da República desvalorizou hoje, em Madrid, a crescente presença de capitais espanhóis no sector bancário português, considerando "muito bom" o facto de o espanhol CaixaBank ter tomado o controlo maioritário do BPI esta semana.
Presidente desvaloriza crescente presença de capitais espanhóis na banca portuguesa
Bruno Simão
Lusa 09 de fevereiro de 2017 às 21:38

"A minha preocupação era que houvesse um monopólio de Espanha ou de qualquer outro país em Portugal", disse Marcelo Rebelo de Sousa, à entrada de um jantar oferecido pela Câmara do Comércio Hispano-Portuguesa.

 

O Presidente acrescentou que é "favorável a uma presença forte (...), mas diversificada" por vários países.

 

"Esta ligação entre os dois países corresponde àquilo que tinha na minha cabeça quando aqui estive a apresentar cumprimentos ao rei espanhol", Felipe VI, em Março de 2016.

 

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou o facto de Portugal ter "um fortíssimo banco público", a Caixa Geral de Depósitos, e a presença de outros países, como Angola, China e os Estados Unidos da América no sector bancário.

 

O Presidente da República transmitiu, numa visita que fez há quase um ano a Madrid, ao rei de Espanha a sua posição sobre a crescente entrada de entidades financeiras espanholas em Portugal, salientando, na altura, que "uma presença significativa é diferente de ser exclusiva".

 

"Quando eu falei das relações económicas, é de imaginar que o sistema financeiro é uma componente importante. É conhecida a minha posição sobre essa matéria - segundo a qual é importante uma presença significativa espanhola em Portugal, o que é diferente de haver um exclusivo. Não é uma posição exclusiva a um país, é uma posição de fundo", disse Marcelo Rebelo de Sousa, na altura.

 

O grupo financeiro catalão CaixaBank passou a deter 84,5% dos direitos de voto do Banco BPI na sequência da Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada sobre o banco português, num investimento total de 644,5 milhões de euros, concluída na quarta-feira.

 

Como o CaixaBank já detinha 45,5% do BPI, com esta oferta conseguiu adquirir mais 39%, uma vez que houve uma fatia de 15,49% do capital que não foi adquirido em oferta, segundo os resultados oficiais da operação, que foram hoje divulgados numa sessão especial de bolsa, na Euronext Lisbon.

 

Há dois anos, o Santander Totta - que pertence ao grupo espanhol Santander - comprou o Banif por 150 milhões de euros e o Bankinter comprou o negócio a retalho do Barclays Portugal.

 

No discurso que fez no jantar da Câmara de Comércio, para uma audiência de empresários dos dois países, Marcelo Rebelo de Sousa salientou a relação "única" entre Portugal e Espanha e deu como exemplo o aumento das trocas comerciais entre as duas economias.

 

O Presidente da República iniciou hoje uma deslocação de dois dias a Madrid, onde participa na sexta-feira num fórum da COTEC Europa para promover a transição para uma "Economia Circular".

 

No encontro da COTEC Europa também irão estar presentes os chefes de Estado de Espanha e de Itália, e ainda empresários portugueses, espanhóis e italianos, além do comissário europeu da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas.

 

A COTEC Europa foi criada com o objectivo de "ajudar a suprimir as especificidades características das economias do sul e que constituem barreiras à inovação".

 

Os Encontros COTEC Europa, realizam-se anualmente em Espanha, Itália e Portugal, de forma rotativa, e têm como objectivo principal o de proporcionar aos representantes dos fundadores ou associados das organizações COTEC dos três países (Fundación COTEC, Fondazione COTEC e COTEC Portugal) a oportunidade de reflexão e de diálogo sobre problemas comuns e necessidades específicas às empresas e às economias dos três países, no contexto Europeu.

 


A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
nuno 10.02.2017

Também o NB ira parar nas mãos da banca Espanhola quiçá o BCP. Portugal tem medo de bater o pé, tem uma inércia latente endémica é uma nação falida e sem futuro. O "Perigo Espanhol" que se tanto falava na década passada, é agora a salvação de Portugal. VERGONHOSO. Portugal en Rebajas. Viva Espana.

Criador de Touros 10.02.2017

Deveria comentar na notícia ao lado, que é a do assunto, mas o sujeito está aqui. Não me interessa quem tem razão no diz que disse, se Centeno, se Costa, se Dominguez. Aborrece-me que Marcelo esteja sempre a defender este governo da treta. Nem me interessa que Marcelo tenha razão. O que interessa é que Marcelo está sempre a defender este governo de pasmados. Estou farto da guerra de Marcelo e Passos. Não gosto de Passos, votei em Marcelo, mas o calculismo de Marcelo já me irrita. Ele foi meu professor de Dto. Constitucional na FDL. Bom professor. Mas poderia ter sido bem melhor. Marcelo quer tudo ao mesmo tempo, depois fica aquém.Cuidado que pode ir perdendo o centro-direita aos poucos e ficar enterrado na esquerda. Marcelo para mim está a ser uma desilusão: esperava dele mais jogo de cintura, assim está sempre a fazer fogo sobre o mesmo boneco. Não tenho pena do boneco, mas já estou farto dos beijinhos e abraços dele no meio-indiano e restante cáfila.

5640533 10.02.2017

Marcelo desvaloriza tudo.

Jaime 09.02.2017

Não sei o que aconteceu a Marcelo. Não votei nele, mas tinha esperança. Chegou a falar, aquando da vinda do Rei de Espanha, que estava preocupado com a presença espanhola na banca portuguesa. Pelos vistos já não está. Uma vergonha. Os bancos são o eixo da economia. E sejamos realistas....

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub