Telecomunicações Presidente dos CTT desconhece problemas com vales postais em Fevereiro e Março

Presidente dos CTT desconhece problemas com vales postais em Fevereiro e Março

O presidente dos CTT, Francisco Lacerda, afirmou esta quinta feira na apresentação de resultados de 2016 que não tem notícia de problemas com o pagamento de vales postais em Fevereiro e Março.
Presidente dos CTT desconhece problemas com vales postais em Fevereiro e Março
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Babo 09 de março de 2017 às 18:00
Francisco Lacerda assinalou que, em 11 meses de 2016, houve 141 casos de reclamação quando pela entidade passam 7,5 milhões de vales postais. "Do que se falou, são números pequenos para o todo", afirmou.

Em causa está a situação denunciada no início deste ano que dava conta do aumento de reclamações à Anacom, alegadamente por causa da falta de dinheiro nas estações dos Correios para o pagamento de vales de pensões e outras prestações. 

As reclamações à Anacom aumentaram no ano passado, entre Janeiro e Setembro, para as 205, quando tinham sido 88 queixas em 2015 e 75 no ano anterior. 

Na altura os Correios - cuja rede paga por mês 608 mil vales postais - já tinha dito não existir "qualquer situação anormal." "Quando acontecem, estas situações são, regra geral, resolvidas em menos de uma hora, através da entrada de dinheiro em caixa ou do recurso aos bancos," disse na altura ao Negócios fonte da empresa postal. O Governo garantiu que iria estar atento.

Esta quinta-feira, Francisco Lacerda salientou que os Correios tomaram todas as medidas para garantir que não há problemas nesta área, que dizem respeito a vales para pagamento de pensões e pagamentos de outras prestações sociais.

O CEO dos CTT lembrou que é na primeira quinzena de cada mês que a questão dos vales postais mais se coloca, garantindo que nos primeiros 15 dias de Fevereiro e até 9 de Março "não temos conhecimento de problemas".

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub