Telecomunicações Presidente executivo da Oi demite-se

Presidente executivo da Oi demite-se

O presidente executivo da Oi, Marco Schroeder, demitiu-se esta sexta-feira do cargo que ocupava na operadora de telecomunicações brasileira, que está em negociações com os credores com vista a um processo de recuperação.
Presidente executivo da Oi demite-se
Bloomberg
Lusa 24 de novembro de 2017 às 20:41

A informação, avançada pela agência Bloomberg, foi confirmada à Lusa pela Pharol, com fonte oficial a indicar apenas que teve "conhecimento da apresentação da renúncia ao cargo" de Marco Schroeder, sem avançar os motivos que levaram à demissão.

 

A Pharol (antiga PT SGPS) é a principal accionista da Oi, com cerca de 27% da operadora brasileira.

 

Marco Schroeder assumiu a presidência executiva da Oi em Junho de 2016, dias antes de a empresa de telecomunicações ter apresentado um pedido de recuperação judicial devido à elevada dívida.

 

Nos últimos meses, Schroeder vinha negociando com os credores da Oi e com o Governo brasileiro o plano de reestruturação da empresa, isto quando se aproxima a data da assembleia de credores, marcada em primeira convocatória para 7 de Dezembro.

 

Esta semana foi dado mais um passo na elaboração de propostas para a recuperação da Oi, com o Conselho de Administração da empresa a aprovar as alterações ao plano de recuperação da operadora e das suas subsidiárias, tendo em vista um consenso no processo de recuperação.

 

O plano prevê diminuir o montante da dívida da empresa, que ronda os 65,4 mil milhões de reais (17 mil milhões de euros), por um aumento de capital através de conversão de dívida. Este plano de recuperação da Oi deverá ser discutido na assembleia-geral de credores da empresa de 7 de Dezembro.

 

Entre os credores da Oi está a Agência Nacional de Telecomunicações.

 

A Oi teve lucros oito milhões de reais (dois milhões de euros), incluindo a operação no Brasil e negócios internacionais, no terceiro trimestre. Já a dívida consolidada somou 51,8 mil milhões de reais (13,5 mil milhões de euros).




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tanto idiota... Há 2 semanas

Enfim. Só espero que o dinheiro que vão perder não lhes faça falta.

Anónimo Há 2 semanas

Se a Oi não fosse uma empresa tão valiosa, e com grande potencial, esta "GUERRA" já tinha terminado há muito tempo! Em todas as guerras não vencedores e vencidos!... Por isso vai existir um acordo, e a Oi irá ser num futuro próximo uma empresa sólida!...

Anónimo Há 2 semanas

A melhor maneira de chegar a um acordo proposto pelo conselho de administração,os credores obrigados a votar para o plano proposto ,a Anatel vai dar o seu ok e o governo também ..isso já estava preparado ..e CEo sai com 10 milhões de dólares,excelente para Todos..a pharol bombar

gatogato Há 2 semanas

Já iria embora de qualquer maneira. Assim, da maneira que o fez, se calhar até recebeu uma indemnização graúda, que esta gente só sabe dessa arte, de se governar a si próprio com o dinheiro dos outros.

ver mais comentários
pub