Concorrência & Regulação Presidente da Anacom critica alternância de género na liderança de reguladores

Presidente da Anacom critica alternância de género na liderança de reguladores

Fátima Barros diz que o critério de género para decidir os novos presidentes das autoridades reguladoras "não faz sentido" e que a escolha deve recair na "pessoa que tem mais competência para o cargo, independentemente do género."
Presidente da Anacom critica alternância de género na liderança de reguladores
Bruno Simão/Negócios
Lusa 11 de Outubro de 2016 às 17:36
A presidente da Anacom, Fátima Barros, afirmou hoje que não faz sentido haver alternância de género na liderança dos reguladores e defendeu que os presidentes devem ser escolhidos por mérito e não por género.

"De acordo com a lei, terá que haver alternância de género, acho que isso não faz sentido nenhum, porque o próximo presidente deve ser a pessoa que tem mais competência para o cargo, independentemente do género", disse Fátima Barros, quando questionada sobre o assunto e o fim do seu mandato, que termina a 28 de Maio de 2017, dando então lugar a um homem.

Fátima Barros falava à margem da Portugal Digital Summit 2016, iniciativa promovida pela ACEPI - Associação da Economia Digital, que decorreu hoje em Lisboa.

A lei-quadro das entidades reguladoras, criada pelo executivo de Pedro Passos Coelho, estabelece que "o provimento do presidente do conselho de administração deve garantir a alternância de género".

Já no caso dos outros reguladores que vão ser liderados por mulheres no mandato seguinte, Fátima Barros diz também não concordar e explica porquê.

"Em qualquer circunstância a pessoa deve ser escolhida por mérito e não por género. E como o leque de escolhas não é muito alargado - não vamos dizer que temos aqui em Portugal tanta gente com o perfil ideal para ser regulador - vai ser difícil escolher de acordo com o género, quer para mulher quer para homem, daí o meu desconforto com a questão o género", afirmou.

A responsável espera ainda que não aconteça nenhuma extensão do seu mandato, afirmando que as extensões "que não correspondem verdadeiramente ao mandato limitam muito a tomada de decisão nas instituições".



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
filipe Há 3 semanas

A lei é inconstitucional, porque faz discriminação sem fundamento

anonimo Há 3 semanas

Tem toda a razão . As feministas só têm feito mal às mulheres.Estas devem fazer-se sobressair pela competência e não pela obrigação de cotas.Ao estabelecerem-se cotas para as mulheres. estamos a passar-lhes um atestado de burrice.Podemos agradecer isso aos partidos de esquerda

5640533 Há 3 semanas

Ela não deveria estar lá mesmo sendo mulher.

surpreso Há 3 semanas

Tem razão,elas deviam ficar a tratar dos filhos e da casa

ver mais comentários
pub