Banca & Finanças Presidente da Fosun elogia "transição política estável" em Portugal

Presidente da Fosun elogia "transição política estável" em Portugal

O presidente do grupo chinês Fosun, que detém a Fidelidade e a Luz Saúde, elogiou hoje a "transição política estável" em Portugal, assinalando que o país continua a ser um destino "aberto e recetivo" ao investimento estrangeiro.
Presidente da Fosun elogia "transição política estável" em Portugal
Reuters
Lusa 09 de Outubro de 2016 às 11:19

"Portugal fez uma transição política estável e o novo Governo assegurou o bom ambiente para os investidores", observou Guo Guangchang, no início de uma conferência com empresários chineses, em Pequim, que contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

 

"Estas são qualidades que reforçam a nossa confiança em Portugal", acrescentou Guo, líder de um dos maiores grupos privados da China, com interesses nos sectores do turismo, saúde, farmácia, imobiliário e aço.

 

O empresário, considerado o 11.º homem mais rico da China pela revista norte-americana Forbes, referiu ainda o investimento chinês em Portugal, que estimou ter ultrapassado já os 10 mil milhões de euros.

 

"Portugal é o quarto maior destino do investimento chinês na Europa, ultrapassado apenas por Reino Unido, Alemanha e França", disse.

 

O grupo Fosun detém em Portugal a seguradora Fidelidade e a Espírito Santo Saúde, reconvertida em Luz Saúde, e uma participação de 5,3% na REN - Redes Energéticas Nacionais.

Em Julho passado, o grupo avançou com uma proposta por 16,7% do banco Millennium bcp, através de um aumento de capital exclusivo.

 

No ano passado foi também um dos candidatos à compra do Novo Banco, até as negociações terem sido suspensas pelo Banco de Portugal.

 

António Costa iniciou no sábado uma visita oficial à China que, além de Pequim, o levará também a Xangai, Macau e Shenzhen.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub