Aviação Primeiro avião da Portugália despediu-se dos céus ao fim de 26 anos

Primeiro avião da Portugália despediu-se dos céus ao fim de 26 anos

Ao fim de 26 anos de operações, o Fokker baptizado de Albatroz despediu-se dos céus com uma viagem entre o Porto e Lisboa - a mesma que marcou a sua estreia em 1990.
Primeiro avião da Portugália despediu-se dos céus ao fim de 26 anos
Negócios 29 de Novembro de 2016 às 18:08

O primeiro avião da Portugália – um Fokker baptizado de Albatroz – fez esta terça-feira, 29 de Novembro, o seu último voo. Uma viagem entre o Porto e Lisboa, onde aterrou às 13:30, no Aeroporto Humberto Delgado.

 

O Albatroz repetiu, assim, o percurso do seu voo inaugural, depois de 26 anos de operações.

 

Segundo um comunicado da companhia, neste voo marcaram presença Peter Somers, presidente da Fokker e Luiz Lapa, director-geral da Portugália/TAP Express, entre muitos outros convidados ligados à história deste avião e da empresa.

 

Dos quatro tripulantes de cabina que realizaram o primeiro voo deste avião, três tiveram oportunidade de se despedir e de desempenhar as suas funções, pela última vez, a bordo da aeronave. 

 

A companhia classifica este dia como "histórico". "Este foi um dia histórico para a companhia, que assinalou o momento deixando um agradecimento especial a todos os que operaram, trabalharam e mantiveram o Albatroz, permitindo-lhe ser hoje o Fokker com mais horas de voo ao nível da frota F100 mundial, tendo atingido as 65.453 horas de voo, neste mês de Novembro", revela o comunicado.

 

Após o último voo do Albatroz, a frota regional da TAP, que foi renovada ao longo deste ano e é constituída por aeronaves Embraer 190 e ATR 72, passa a voar, na totalidade, com as cores da TAP Express. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

Que pena não ir para um museu. No da força áerea em Sintra, por exemplo....

thej Há 4 dias

Que pena o artigo não dizer o que vai acontecer a esse avião. Vai ser desmantelado ou vai ser vendido e continuará a voar na Ásia, África ou na América do Sul?

pub