Tecnologias Primeiro satélite 100% português estará em órbita até fim de 2020

Primeiro satélite 100% português estará em órbita até fim de 2020

O primeiro satélite totalmente construído e desenvolvido em Portugal, o "Infante", vai ser hoje apresentado, em Oeiras, no encontro AED Days 2017, devendo ser lançado até final de 2020, anunciou o ISQ.
Primeiro satélite 100% português estará em órbita até fim de 2020
Direitos Reservados
Lusa 19 de outubro de 2017 às 17:42

O projecto do microssatélite é apresentado e assinado hoje nos AED Days, evento que se realiza até quinta-feira no Tagus Park, em Oeiras (Lisboa), numa iniciativa do AED Cluster, o cluster português para as indústrias Aeronáutica, do Espaço e da Defesa, sendo que o grupo ISQ será o responsável por "toda a área de testes a peças e produto final", refere o Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) em comunicado.

 

Trata-se da construção de um satélite de nova geração que envolve um investimento de mais de nove milhões de euros para três anos, sendo que o "Projecto Infante" já foi aprovado pela Agência Nacional de Inovação (ANI) para ser cofinanciado pelos fundos estruturais da União Europeia.

 

O projecto é uma iniciativa de várias empresas e entidades portuguesas e é cofinanciado por fundos comunitários, sendo que este satélite será o precursor de outros satélites a lançar até 2025 para observação da Terra e comunicações com foco em aplicações marítimas.

 

Segundo o presidente do ISQ, Pedro Matias, o Satélite "Infante" "que, segundo os coordenadores do consórcio é expectável que seja lançado até final de 2020, é o primeiro satélite português totalmente desenvolvido e construído no país".

 

E prosseguiu, citado em comunicado: "É uma área que conheço bem, pois já há alguns anos tinha acompanhado o processo do PoSAT (1993), do professor Carvalho Rodrigues do então INETI (Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação), que embora construído por empresas e laboratórios portugueses, era essencialmente um projecto de transferência de tecnologia". 

 

Este satélite será o primeiro de uma futura 'constelação' de 12 satélites idênticos que serão construídos e lançados nos anos seguintes.

 

O consórcio envolvido neste projecto é constituído por nove empresas da área do espaço, entre as quais a Tekever, Active Space Technologies, Omnidea, Active Aerogels, GMV, HPS e a Spin Works, além de dez centros de Investigação e Desenvolvimento (I&D) de diversas universidades e laboratórios de investigação de todo o país que trabalham em espaço.

 

O ISQ há vários anos que aposta na área da aeronáutica e do espaço e "os resultados estão a aparecer", disse Pedro Matias, referindo que o instituto "é uma referência" nesta área, cabendo-lhe a responsabilidade de toda a área de testes das peças e do produto final.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

E por esses satélites ao serviço das comunicações de emergência? Tinha mais valor ...

CBO Há 5 horas

Já em 1994 (?), 1995 (?) se construiu um satélite em Portugal. Julgo que era o POSAT, com o Prof. Carvalho Rodrigues, que estava inserido num programa de construção de cerca 12 (?) ou (20). Contudo, este projeto não teve continuidade no Governo Socialista do Eng. Gueteres e Companhia no final de 1995! Portanto não é o primeiro satélite português!.

dassse Há 21 horas

Vai cair no lançamento