Empresas Primeiro-ministro quer chegar aos 450 milhões financiados às empresas até ao final do ano

Primeiro-ministro quer chegar aos 450 milhões financiados às empresas até ao final do ano

O primeiro-ministro afirmou hoje que a aceleração da execução dos fundos comunitários foi definida como uma prioridade, referindo que o objectivo é chegar ao final do ano com 450 milhões de euros financiados às empresas.
Primeiro-ministro quer chegar aos 450 milhões financiados às empresas até ao final do ano
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 07 de Outubro de 2016 às 14:27

"Definimos com prioridade a aceleração da execução dos fundos comunitários. Há um ano atrás tinham sido disponibilizados às empresas quatro milhões de euros, por isso fixámos o objectivo de 100 milhões de euros em 100 dias. Hoje já atingimos os 300 milhões de euros e continuamos a trabalhar para cumprir a meta que nos propusemos de ter 450 milhões de euros financiados às empresas até ao final do ano", disse António Costa, durante a iniciativa COMPETE 2020 - Programa Operacional Competitividade e Internacionalização, que decorreu no Montijo.

 

António Costa salientou que é essencial que o país ganhe confiança com o "clima e tranquilidade e paz social que existe em Portugal".

 

"O contributo que tem sido dado ao longo de todo este ano por diferentes órgãos de soberania e parceiros sociais, tendo em vista criar um clima de descrispação, é essencial para reforçar a confiança e ter melhores condições para poder investir", afirmou.

 

O primeiro-ministro considerou que fundos comunitários "são uma alavanca essencial", num quadro em que o Estado e as autarquias têm poucos recursos próprios e o financiamento bancário "não é particularmente favorável".

 

"Os recursos que podemos ter todos como garantidos para investir são os recursos comunitários. Muitas vezes entristecemo-nos com algumas as decisões da União Europeia, mas não nos podemos esquecer o contributo essencial que tem dado ao longo destes 30 anos para o nosso desenvolvimento e o contributo que os fundos comunitários dão para podermos prosseguir uma trajectória de desenvolvimento", defendeu.

 

António Costa referiu que é também necessário um sistema financeiro capaz de financiar a economia.

 

"Brevemente teremos condições para concluir com o Banco de Portugal uma solução sistémica para encontrar solução para os activos não produtivos que a banca acumulou ao longo de muitos anos. Temos por isso condições para chegarmos ao final do ano com um sistema financeiro estabilizado e em boas condições de cumprir a sua função de assegurar as poupanças das famílias e financeira o investimento da economia", defendeu.

 

O primeiro-ministro referiu ainda que a primeira prioridade do governo foi criar "boas condições" para que houvesse investimento, referindo que no primeiro concurso surgiram mais de três mil milhões de euros de projectos candidatos, só em Abril e Maio, no âmbito dos sistemas de incentivos Portugal 2020.

 

"Não temos os números finais, mas as candidaturas abertas ultrapassarão os dois mil milhões de euros. Apesar de muitos receios, o INE veio confirmar o que sentimos, que no primeiro semestre aumentamos em 7,7% o investimento privado em Portugal", salientou.

 

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, também esteve presente na iniciativa e referiu que já estão aprovados mais 1,6 mil milhões de euros de novo investimento.

 

"Isto é muito significativo, pois corresponde a um concurso de um trimestre. No quadro dos projectos aprovados desde que chegamos ao governo, os empresários já se comprometeram com 28 mil postos de trabalho em Portugal", salientou.

 

Pedro Marques explicou ainda que o acelerador de investimento é uma oportunidade de obterem mais comparticipação nos projectos em troca de "oferecerem ao país" mais investimento no ano de 2016.

 

"O acelerador de investimento permite que quem antecipar para o ano de 2016 o investimento programado para 2017 e anos seguintes nas candidaturas aprovadas, tenha mais 10% de taxa de comparticipação e que aqueles que executarem mais de metade do investimento programado para o próprio tenham uma taxa adicional de 7,5% de comparticipação", concluiu.




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS ROUBA A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

Ganda Costa pá Há 3 semanas

empresta só 2 ou 3 milhões para eu basar para as Bahamas

Anónimo Há 3 semanas

No governo do ladrão44, assim que apareciam fundos, de imediato se criavam empresas(fantasmas) pertencentes aos membros do governo ou a seus familiares para receberem os respetivos subsídios. Vergonhoso.

Anónimo Há 3 semanas

os 450 milhões devem sair do bolso do monhé golpista...com o guito dos outros não custa nada distribuir..não percebo como é que este golpista não tem um pingo de vergonha nas fussas e se põe a andar!...estamos todos fartos das golpadas dele e dele, ele governa-se e o povo cheio dele até os olhos!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub