Banca & Finanças Privado Clientes quer impedir pagamento de 100 ME ao Estado, BPP e BPP Cayman

Privado Clientes quer impedir pagamento de 100 ME ao Estado, BPP e BPP Cayman

"(...) a Privado Clientes entende que estes 100 milhões pertencem aos clientes e pede agora ao tribunal para não distribuir o dinheiro até que o tribunal se pronuncie sobre esta questão de fundo", disse à Lusa fonte próxima do processo.
Privado Clientes quer impedir pagamento de 100 ME ao Estado, BPP e BPP Cayman
Pedro Elias
Lusa 05 de Janeiro de 2017 às 19:02
A Privado Clientes entregou no tribunal uma providência cautelar para impedir que sejam pagos os 100 milhões de euros que a sociedade que gere o megafundo do BPP deverá pagar ao Estado Português, ao BPP e ao BPP Cayman.

O Banif Gestão de Ativos, sociedade gestora do fundo dos clientes de retorno absoluto do BPP depositou aquela verba à ordem do tribunal porque, havendo três entidades a reclamar os créditos (Estado, BPP e BPP Cayman), não sabia a quem pagar, segundo adiantou fonte próxima do processo à Lusa.

Porém, um decisão recente do Juízo 2 da Instância Central da Comarca de Lisboa homologou o acordo alcançado pelas partes que reclamam os créditos, pelo que o mesmo "terá como efeito expectável, após trânsito em julgado, a entrega das quantias consignadas no âmbito desses autos ao Estado Português, BPP Cayman e BPP SA", lê-se na providência cautelar a que a Lusa teve acesso.

Na ação judicial que deu entrada na 1.ª Secção de Comércio do Juízo 2, a associação de clientes do banco fundado por João Rendeiro (que foi intervencionado em 2008) indica que o Fundo Especial de Investimento (FEI) do BPP e a sua sociedade gestora desconsideraram um quarto credor, "os anteriores clientes de retorno absoluto, ora participantes do FEI)".

A Privado Clientes vem agora solicitar ao tribunal que impeça o Banif Gestão de Ativos de pagar "porque entretanto reclama estes montantes para os próprios clientes, já que, na sequência dos inquéritos da CMVM [Comissão do Mercado de Valores Mobiliários], verificou-se que o BPP SA tirou dinheiro dos SIV ['structured investment vehicles'] em proveito próprio (ou para os seus resultados ou para engordar determinados SIV para assim o BPP não pagar do seu bolso as garantias dadas aos clientes no momento dos resgates)", destacou a mesma fonte.

"Perante esta prática a Privado Clientes entende que estes 100 milhões pertencem aos clientes e pede agora ao tribunal para não distribuir o dinheiro até que o tribunal se pronuncie sobre esta questão de fundo", rematou.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Não sei se é para rir ou para chorar (relativamente à situação do país).

Já me tinha esquecido que o BPP tinha falido (mais um, menos um, e era bem pequeno).

Mas estes não eram os pequenos aforradores tipo do BES, que pouco ou nada sabiam de finanças e foram claramente enganados, com grande responsabilidade do Banco de Portugal.

No BPP, se lá fosses investir 1 000 ou 2 000 Euros, não só se te fechavam a porta na cara como ainda se riam da ousadia do pé descalço!

Tanto mais que aquilo era gerido pelos melhores profissionais pagos a peso de ouro.

Pensando bem, é melhor rir, porqur o BPP, seus gestores e os seus clientes revelaram-se cá uma anedota ...

Anónimo Há 1 semana

Ja estou a ver o filme:seguramente 60% deste bolo vai ser ingolido pelos tribunais.A porcao de carne e consideravel,mas a matilha tambem e enorme.NOVELA pela certa.

pub