Agricultura e Pescas Produtores de sardinha querem os limites de pesca não sejam inferiores a 2017

Produtores de sardinha querem os limites de pesca não sejam inferiores a 2017

A Associação das Organizações de Produtores da Pesca do Cerco (ANOP- Cerco) quer que os limites da pesca de sardinha não sejam inferiores aos de 2017, afirmou o presidente, Humberto Jorge.
Produtores de sardinha querem os limites de pesca não sejam inferiores a 2017
Miguel Baltazar
Lusa 27 de outubro de 2017 às 21:30
"O Governo apresentou um cenário de possibilidades de pesca ligeiramente diferente do de 2017", mas os produtores "vão continuar a lutar para que os limites de pesca não sejam alterados", referiu, após uma reunião com a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, que decorreu no Ministério, em Lisboa.

Em declarações aos jornalistas, Humberto Jorge acrescentou que os produtores vão trabalhar, em colaboração com o Governo, para encontrar as melhores soluções que assegurem a recuperação do 'stock' e possibilitem que, em 2018, as frotas e os pescadores consigam desenvolver a sua actividade.

No que se refere à delimitação de zonas de não pesca, medida avançada pelo Governo para a recuperação do 'stock', o presidente da ANOP-Cerco referiu que a tendência é apostar em zonas de fecho real, identificando, para isso, as áreas onde se localizam os cardumes de juvenis.

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, admitiu hoje que os limites de captura de sardinha para Portugal e Espanha possam ultrapassar as 14 mil toneladas, valor que há uma semana tinha definido como máximo.

"Não podemos decidir sozinhos aquilo que vamos estabelecer para a pescaria da sardinha, mas [a reunião com os representantes dos produtores] permitiu-nos ter mais informação e agora o IPMA vai trabalhar para saber qual é o limite máximo que podemos propor, que pode ir acima das 14 mil toneladas", referiu.

Há uma semana, Ana Paula Vitorino disse que o Governo ia propor que o limite de captura de sardinha para a Península Ibérica fosse fixado entre as 13,5 e as 14 mil toneladas.

De acordo com o parecer científico do Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES), divulgado no dia 20, o 'stock' de sardinha tem vindo a decrescer de 106 mil toneladas em 2006 para 22 mil em 2016, por isso, recomenda que, em 2018, seja suspensa a captura deste peixe.

Contudo, aponta para vários cenários de capturas, estabelecendo como limite 24.650 toneladas.

Já em 2016, o organismo científico recomendava que Portugal devia parar por completo a pesca da sardinha durante um período mínimo de 15 anos para que o 'stock' de sardinha regresse a níveis aceitáveis.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Jorge Simões Há 3 semanas

Não percebi...Mas há " PRODUTORES " de sardinha? Sinceramente...deve ser pelo 'acertar' da hora!

General Ciresp Há 3 semanas

Secalhar para que tal seja um sucesso vao precisar de mudar as redes de GALINHEIRO para redes de gaiolas de canarios.Tudo isto provisorio porque se os analfabetos impuserem-se mais duas cacadas e o mar faliu.

Saber mais e Alertas
pub