Energia PS diz que privatização da REN foi "manifestamente um erro"

PS diz que privatização da REN foi "manifestamente um erro"

Os deputados discutiram esta tarde um conjunto de diplomas sobre questões energética. A discussão foi feita ao "sprint", mas o PS foi a tempo de dizer que a privatização da REN foi “um erro”, lançando críticas ao PSD e CDS pela paternidade dos CMEC.
PS diz que privatização da REN foi "manifestamente um erro"
Reuters
Bruno Simões 12 de junho de 2017 às 19:49

Os deputados tiveram pouco mais de 25 minutos para debaterem seis diplomas sobre questões ligadas à energia, entre as quais se contavam iniciativas para acabar com as chamadas rendas excessivas nos contratos de Custos de Manutenção de Equilíbrio Contratual – os famosos CMEC. Sem o Governo presente, coube ao PS sinalizar apoio a alguns dos diplomas, ao mesmo tempo que disparou críticas ao PSD e CDS pelos referidos instrumentos.

 

Além de projectos a pedir a eliminação dos Custos de Aquisição de Energia (CAE) e do instrumento que lhes sucedeu, os CMEC, apresentados pelo PCP e Bloco de Esquerda, foi ainda discutido um projecto do PS a pedir que o valor a mais que for apurado na avaliação dos CMEC reverta para "abatimento às tarifas de electricidade" a partir de 2018 e dos anos seguintes. Foram também discutidos projectos do PCP e Bloco a pedir que a central de controlo da rede energética nacional – conhecida como central de despacho – passe a ter controlo público, bem como a garantir que o investimento em redes não é repercutido na factura da luz.

Foi a propósito destes últimos diplomas que o deputado Hugo Costa, do PS, criticou a privatização da REN. "A questão da central de despacho da REN é um tema relevante que merece a maior atenção, porque "a privatização da REN deixou o país limitado e condicionado", e poderá até impedir a correcção deste problema. "Compreendemos a necessidade desta discussão e estamos de acordo com os seus princípios; contudo, o erro na forma como decorreu a privatização" coloca "enormes limitações contratuais", e os "custos para os contribuintes e o país não são totalmente mensuráveis", alertou.

 

"O processo de alienação da REN foi manifestamente um erro", insistiu, dando como exemplo disso o facto de "terem sido colocados os mesmos accionistas na EDP e REN" – no caso, o Estado chinês, através das empresas China Three Gorges (EDP) e China State Grid (REN). Esse argumento já tinha sido apresentado por Jorge Costa, do Bloco de Esquerda.

 

Por outro lado, a questão dos CMEC nasceu no Governo de Santana Lopes, lembrou o socialista. "Nas últimas semanas temos assistido a grandes discussões sobre CMEC, que é bom que se recorde que foram criados em 2004 por um Governo PSD e CDS", sublinhou, recordando que para este ano "foi previsto o seu ajustamento final, sendo esse montante apurado pelo regulador", a ERSE.

 

CDS e o "momento Pinho"

 

O PSD optou por lembrar que a questão do plano de investimentos da REN é sujeito a um escrutínio "muito forte", contestou o deputado António Topa, realçando que, na Europa, "mais de metade dos operadores [de energia] têm a maioria de capital privado", e que "todos os operadores planeiam a sua rede; nenhum país tem um operador de sistema estatal e um de rede privado".

 

Coube ao CDS responder à farpa sobre a paternidade dos CMEC. "A introdução dos CMEC em 2004 era racional, tinha a ver com a liberalização do sector" e tinha a "cobertura da União Europeia", que dizia que o processo "tinha de ser monitorizado e regressivo". Para o deputado Hélder Amaral, a questão toma "proporções inaceitáveis" em "2006, com o momento Pinho", então ministro da Economia, que "gera um aumento dos CMEC de forma inusitada".


"É disso que se indignam? Quem é o pai do défice tarifário? É alguém do PSD/CDS ou o ex-ministro da Economia Manuel Pinho?", questionou.

 

Do lado do PCP, Bruno Dias defendeu que "a situação escandalosa que há anos se verifica no sector da energia em Portugal" é fruto "das opções políticas dos sucessivos governos ao longo dos últimos anos". E "foi por opção que o sector da energia foi segmentado e entregue aos grupos económicos, numa operação verdadeiramente criminosa para o interesse nacional", defendeu.

 

Uma das propostas do PCP, que permite aos consumidores que já estão no mercado liberalizado da energia que regressem ao mercado regulado, deverá ter apoio do PS. Hugo Costa disse "querer trabalhar em comissão" o diploma.

Estes seis diplomas serão votados na generalidade na próxima quarta-feira.


A sua opinião283
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Nacionalizar ou estatizar o que supostamente seria admissível de ser nacionalizado ou estatizado numa óptica de serviço público e interesse nacional e incorporado no Sector Empresarial do Estado, como utilities, serviço postal, transportadora de bandeira, banco estatal, arsenal ou empresa de telecomunicações, é impossível em Portugal porque o Estado é mau gestor e segundo a versão oficial legal desse mesmo Estado, e seus sindicatos, se convencionou que não existe, existiu ou alguma vez existirá excedentarismo porque o mirabolante mote diz que não existem forças de mercado do sector público para dentro e por isso não se pode reestruturar uma organização portuguesa com recurso a despedimentos ou desalocação de oneroso factor produtivo trabalho que seja desnecessário e injustificável à luz dos mais básicos e elementares princípios da boa gestão lean, da racionalidade económica, do avanço tecnológico e das condições de oferta e procura reais existentes em dado momento ou período de tempo.

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

?Research Paper Research paper is known as a variety of higher education paper written on the finish of the studying period, for acquiring a certain scholar. look over additional Buy essay
Term Paper Term Paper is often a standard of the session essay produced either while in the close of semester

Anónimo Há 4 dias

?Creative Application Layout and Clever Cellular Software Progress from our Cellular Application Builders for iOS and Android
Cellular Application Advancement Organization
Efficient collaboration, consistent connectivity and fast communication are the want of your hour for all forms of organizat

Anónimo Há 4 dias

?Essay Tips: 7 Tips on Producing an Effective Essay
By Making it Count
Creating an essay often appears to be a dreaded task among students. Whether the essay is for a scholarship, a class, or maybe even a contest, so many students often track down the task overwhelming. Even as an essay is truly

Anónimo Há 4 dias

?Most suitable Essay Program in Uk is prepared to help with crafting!
Academic producing is just not the easiest thing with the world, is it? You would choose to study for two hours rather than devoting that time to an in-depth research on the topic you really do not understand. Your professor exp

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub