Energia PS e Bloco chamam presidente da ERSE ao Parlamento para falar de CMEC

PS e Bloco chamam presidente da ERSE ao Parlamento para falar de CMEC

O Bloco de Esquerda e o PS vão apresentar um requerimento conjunto a pedir a audição da presidente da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, Cristina Portugal. O pedido será discutido e votado na reunião desta quarta-feira da comissão de Economia.
PS e Bloco chamam presidente da ERSE ao Parlamento para falar de CMEC
Bloomberg
Bruno Simões 06 de junho de 2017 às 17:04

PS e Bloco de Esquerda vão pedir em conjunto a audição urgente da presidente da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, Cristina Portugal, sobre o fim da vigência dos contratos de Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC), que entraram na ordem do dia após as buscas da PJ à EDP e à REN e que terminaram com a constituição de António Mexia e Manso Neto como arguidos. Os dois partidos querem perceber em que ponto está o grupo constituído dentro do regulado para estudar estes contratos.

 

É este ano que termina o contrato CMEC relativo à Central Termoeléctrica de Sines. O Orçamento do Estado deste ano atribui à ERSE a responsabilidade de apresentar um estudo que apure e fundamente o montante do ajustamento final destes contratos até ao final deste mês. Para esse efeito, a ERSE deveria constituir um grupo de trabalho interno.

 

Os deputados chamam Cristina Portugal para esta "informar o Parlamento acerca do desempenho do grupo de trabalho interno que terá sido constituído pela ERSE e da concretização do estudo que apura o montante de ajustamento final". Ao Negócios, o deputado Jorge Costa, do Bloco de Esquerda, diz esperar que a audição seja marcada para a próxima semana.

 

Através deste processo de revisibilidade será possível apurar se os cálculos que estiveram na base dos CMEC "estiveram acima do que deveria efectivamente ter sido pago". E Jorge Costa acredita que esse "é mesmo o único cenário possível". Ou seja, haverá lugar à devolução de dinheiro por parte da EDP.


(notícia rectificada às 19:52 para clarificar que o CMEC que termina este ano é o relativo à central de Sines, a maior do país)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Nestas coisas de preços a realidade é que conta e 06.06.2017

ficção mais ou menos manipulada. A triste realidade é que o País tem barragens, tem energias renováveis e hídricas de Norte a Sul, somos autossuficientes e ainda exportamos. Portanto de há anos a esta parte nada justifica essas compensações. Justificava-se quando as centrais eram a carvão ou gasóleo

BCP diga lá 0.33 é daqui a 9 DIAS 06.06.2017


BCP DIGA 0.33 é daqui a 9 dias quando a FINTCH subir os RATINGS do MILENIUM BCP e de PORTUGAL

pub