Banca & Finanças PS quer que seja criado mecanismo extrajudicial para os lesados do Banif

PS quer que seja criado mecanismo extrajudicial para os lesados do Banif

O PS entregou esta sexta-feira no parlamento uma resolução em que recomenda ao Governo que "diligencie" junto da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários para que seja criado um mecanismo extrajudicial para os lesados do Banif.
PS quer que seja criado mecanismo extrajudicial para os lesados do Banif
Carolina Cravinho
Lusa 12 de janeiro de 2018 às 19:04

Este projecto de resolução, ao qual a agência Lusa teve acesso, tem como primeiros subscritores o líder parlamentar do PS, Carlos César, e os vice-presidentes da bancada João Paulo Correia e Lara Martinho (eleita pelos Açores).

 

No diploma, o PS recomenda ao Governo que "diligencie junto da CMVM para que seja criado um mecanismo extrajudicial que permita aferir sobre a verificação de situações concretas em que possam ter ocorrido práticas ilícitas na emissão ou na comercialização de títulos de dívida emitidos ou comercializados pelo Banif".

 

Actos que, em linhas gerais, segundo os socialistas, "possam consubstanciar práticas vulgarmente designadas como mis-selling".

 

Para o Grupo Parlamentar do PS, caso se confirme a ocorrência de tais práticas ilícitas, o Governo, o Banco de Portugal, a CMVM "e estruturas associativas que sejam reconhecidos como representativas dos lesados" devem promover "possíveis soluções que, salvaguardando o erário público, procurem mitigar os prejuízos relativos a casos concretos ocorridos após o banco se ter tornado maioritariamente público".

 

Segundo a bancada socialista, ao contrário do que aconteceu com o caso dos "lesados" do Banco Espírito Santo (BES), "em que foi possível encontrar um modelo de solução para minorar as perdas dos investidores não qualificados que adquiriram títulos de papel comercial emitidos pela ESI e pela Rio Forte", o mesmo não se passou com o Banif.

 

No caso do Banif, aponta o PS, "inexiste um enquadramento análogo que permita encontrar uma solução para o conjunto de lesados". "Também no caso do Banif, está em causa um conjunto de investidores não qualificados, alguns em situação económica muito difícil, podendo eventualmente a comercialização efectuada configurar, em alguns casos, práticas de mis-selling", é referido no projecto de resolução do PS.

 

No diploma lê-se ainda que, "ao contrário do que ocorreu no caso dos lesados do papel comercial do BES", no que respeita ao conjunto de situações do Banif, "atenta a variedade e heterogeneidade das situações, a CMVM não consegue atestar, com carácter generalizado, quanto a eventuais vícios de comercialização comuns ou transversais a todos os investidores em causa".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
JOSE 13.01.2018

SOU LESADO ROUBADO PELO ESTADO ...COMPREI AÇÕES DO BANIF ..SENTIME SEGURO POR O ESTADO SER O MAIOR ACIONISTA ,,COMO É QUE O ESTADO VENDE UMA COISA QUE NÃO É DELE E FICA COM O MEU DINHEIRO

Anónimo 12.01.2018

A ruína e atraso de Portugal, face aos seus congéneres europeus mais desenvolvidos e ricos, tem como base o facto de se ter criado em Portugal um sistema que, gradualmente, gerou duas seguranças sociais públicas. Uma oficial e outra oficiosa. A oficiosa é parte integrante não de um Estado de Bem-Estar Social legítimo mas antes de um Estado de Bem-Estar Salarial iníquo e insustentável para sindicalizados, em especial do sector público, que auferem uma onerosa e injustificável prestação social sob a forma de remuneração em clara situação de sobreemprego vitalício ou sobrepagamento em crescendo, mesmo quando o preço de mercado para as tarefas que realizam não pára de descer nos mercados mundiais ou a procura, em variadíssimos casos, pura e simplesmente desapareceu se é que alguma vez existiu. Os 4000 despedimentos na banca lusa em 2017, tirados a ferros de forma tardia, cara e incompleta, foram apenas a ponta de um vergonhoso icebergue que as esquerdas teimam em querer esconder.

pub