Banca & Finanças PS recusa nacionalização do Novo Banco para manter liberdade negocial

PS recusa nacionalização do Novo Banco para manter liberdade negocial

O PS ainda não sabe o que vai fazer com o Novo Banco, mas pretende chumbar as propostas de resolução do BE e do PCP que querem a sua nacionalização. Razão: não são compagináveis com a liberdade negocial que o processo exige, escreve o Público.
PS recusa nacionalização do Novo Banco para manter liberdade negocial
Miguel Baltazar
Negócios 03 de fevereiro de 2017 às 08:52

Já se sabia que os deputados do PS vão votar contra os projectos de resolução apresentados pelo BE e pelo PCP recomendando a nacionalização do Novo Banco. Mas as explicações desta posição, numa altura em que várias vozes dentro do PS defendem a nacionalização, são adiantadas esta sexta-feira por Carlos César ao jornal Público: o voto contra justifica-se pelo facto de os socialistas considerarem que as propostas excluem à partida qualquer processo negocial.

Carlos César, o líder parlamentar do PS que há cerca de um mês afirmou que "as ofertas pelo Novo Banco são vexatórias", diz agora ao Público que "o ideal é a venda". "O nosso entendimento não é o de nacionalizar o Novo Banco, é de o manter na esfera pública se não existir nenhuma proposta de compra que seja vantajosa e proporcional ao valor que o Governo atribui à instituição bancária em causa". Em cima da mesa estará uma solução de compra parcial do NB por parte do Estado para que os prazos de Bruxelas sejam cumpridos.

O acordo entre o governo português e a Comissão Europeia impõe Agosto de 2017 como meta para a resolução do problema e, para já, decorrem as negociações com a Lone Star, um fundo "abutre" norte-americano, mas a quem fonte governamental garante que serão impostas garantias de que o banco não será retalhado, em caso de venda.

Com os prazos a pressionarem uma solução, o Governo já não estará preocupado com o valor a que o NB será vendido, mas apenas a quem caberá a factura de 750 milhões que são necessários injectar na instituição ainda este ano. Caso não haja venda, o encargo cai para o lado do Estado, e esta será uma das razões pela qual na semana passada a revista Sábado já dizia que o Governo admite vender o banco a custo zero.  

O Público dá igualmente conta de que Oliver Brahin, responsável pelas operações europeias da Lone Star, esteve esta semana em Portugal para reunir com a equipa de Sérgio Monteiro, antigo secretário de Estado escolhido por Carlos Costa para liderar a venda da instituição, e por António Ramalho, o seu gestor executivo.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 08.02.2017

A Nacionalização é o último reduto para evitar uma venda ao desbarato. Qualquer merceeiro sabe isso só estes jornalistas manipulados pela direita não conseguem escrever isto ! Francamente !

Anónimo 03.02.2017

Só para ver este boca de charroco a botar a sua demagogia, vale a pena ligar a televisão. É uma delícia e só diz as verdades. à sua maneira, claro...

Anónimo 03.02.2017

Casa onde não há pão, todos ralham, com razão. Veja-se o comportamento do PS,na oposição, sobre o banif e outros, no tempo do governo de Passos Coelho: também não elugiou quem trouxe a troika

pub
pub
pub
pub