Transportes PSD de Lisboa acusa Medina de gerir de forma irresponsável processo da Carris

PSD de Lisboa acusa Medina de gerir de forma irresponsável processo da Carris

O Presidente da República promulgou na sexta-feira, 30 de Dezembro, o diploma que atribui à Câmara de Lisboa a gestão da rodoviária Carris.
PSD de Lisboa acusa Medina de gerir de forma irresponsável processo da Carris
João Santos/Correio da Manhã
Lusa 31 de dezembro de 2016 às 13:29

A vereação do PSD de Câmara Municipal Lisboa acusou o presidente da autarquia, Fernando Medina, de "gerir de forma pouco clara e irresponsável" o processo da Carris.

 

"O PSD de Lisboa acusa Fernando Medina de gerir de forma pouco clara e irresponsável todo o processo, sem medir as consequências que isso traz para os lisboetas", referiu em comunicado o vereador do PSD António Proa, exigindo a "imediata apresentação aos órgãos do município do Plano Estratégico, Plano de Gestão e respectivo documento de gestão financeira para uma discussão com tempo, para ser responsável e com acesso a toda a informação para ser um processo transparente".

 

"O senhor presidente da Câmara tem-se precipitado com um conjunto de promessas relativamente à gestão da Carris sem divulgar as consequências financeiras de tais compromissos", refere o vereador do PSD, citado no comunicado.

 

O vereador continua, acusando Fernando Medina de atirar tudo "para o futuro" com o "propósito de servir a sua campanha eleitoral". "Para além das consequências financeiras, há a questão da mobilidade na cidade que importa ser avaliada já que a acção da maioria que governa a Câmara tem sido responsável pela concretização de opções com resultados nefastos para a circulação na cidade", salienta António Prôa.

 

Para o vereador, permitir a separação da Carris do Metropolitano de Lisboa é "uma irresponsabilidade" e "significa um retrocesso num caminho de articulação fundamental que há tanto era desejado".

 

"Ficar com a Carris sem a capacidade de influenciar decisivamente a gestão do Metropolitano de Lisboa é um erro que condicionará decisivamente a capacidade de intervir eficazmente na mobilidade na cidade de Lisboa", acrescentou.

 

No final de Novembro, o Governo e a Câmara de Lisboa assinaram um memorando da passagem de gestão da rodoviária Carris para a autarquia. Na ocasião, foram anunciadas medidas como o reforço de 250 novos autocarros nos próximos três anos para a cidade, num investimento de 60 milhões de euros, a contratação de 220 motoristas, a criação de 21 novas linhas e, ainda, a atribuição de passes gratuitos a todas as crianças até aos 12 anos e descontos para os idosos.

 

A opção do Governo de entregar a Carris ao município surge na sequência da suspensão dos processos de concessão lançados em 2011 pelo Governo PSD/CDS-PP, liderado por Pedro Passos Coelho.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ex.votante do PSD 01.01.2017

O PSD não tem espelho,o povo não esquece o seu desgoverno.