Banca & Finanças PSD e CDS vão requerer todos os documentos escritos no caso Caixa-Domingues

PSD e CDS vão requerer todos os documentos escritos no caso Caixa-Domingues

Os partidos da direita parlamentar vão pedir ao Governo e a António Domingues a entrega de todos os documentos escritos e compromissos feitos durante o processo negocial que levou o antigo administrador do BPI para a liderança da CGD.
PSD e CDS vão requerer todos os documentos escritos no caso Caixa-Domingues
Miguel Baltazar
Negócios 23 de Novembro de 2016 às 19:29

Segundo duas notícias avançadas esta quarta-feira, 23 de Novembro, pelo jornal online Observador, o PSD e o CDS vão exigir que sejam entregues todos os documentos escritos trocados entre o Ministério das Finanças tutelado por Mário Centeno e o actual presidente-executivo da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

 

O Observador especifica que o pedido do PSD segue os trâmites habituais do Parlamento, enquanto a requisição dos centristas será feita directamente à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para analisar o caso do banco público.

 

A bancada parlamentar social-democrata apresentou dois pedidos em que são solicitadas as cópias de "todos os acordos ou compromissos escritos, assim como quaisquer documentos ou correspondência escrita ou electrónica, relativa a eventuais compromissos orais ou escritos, assumidos por si ou elementos da sua equipa, com membros do Governo", cita o Observador.

No pedido dirigido ao Ministério de Centeno é ainda pedida
"a identificação das pessoas e entidades envolvidas na discussão e/ou celebração desse compromisso, ou de qualquer entendimento oral ou escrito".

Já o pedido dirigido pelo CDS à CPI, uma vez mais de acordo com o Observador, pede a Centeno e a Domingues a entrega de toda a "correspondência e documentação trocada, nomeadamente por correio electrónico, entre o Ministério das Finanças e o Dr. António Domingues após a reunião de 20 de Março de 2016, de alguma forma relacionadas com as condições colocadas para a aceitação dos convites para a nova administração da CGD".

A existência de registos escritos foi inicialmente noticiada na semana passada pelo jornal Público, a que se seguiu, também na passada semana, a garantia dada pelo militante do CDS e comentador político, António Lobo Xavier, no programa da SIC Notícias, Quadratura do Círculo, de que "há compromissos escritos do Governo. Entretanto o Governo, pela voz de Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado do Tesouro, já desmentiu a existência de documentos escritos em que o Executivo se comprometa perante Domingues e respectiva equipa quanto à não obrigatoriedade de apresentar as supra-citadas declarações exigidas aos detentores de cargos públicos. 


No dia 9 de Novembro o Tribunal Constitucional notificou a actual administração da CGD pedindo a entrega da 
declaração de rendimentos e património. Nesta altura os gestores da Caixa estarão ainda a preparar a resposta ao TC, sendo que a mesma deverá centrar-se em justificar o porquê de os administradores não terem entregado as referidas declarações.

A posição de Centeno aproximou-se àquelas que foram já assumidas tanto pelo primeiro-ministro, António Costa, como pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que partilham do entendimento de que a administração da CGD deve, em conformidade com a lei, apresentar as respectivas declarações de rendimentos e património. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Maria Santos Há 1 semana

E bem. Mas penso que este sr. devia demitir-se. A sua atitude, com permissão de quem o escolheu e lhe de posse, tem sido de uma arrogância, prepotência,.... inaceitáveis, comparável às pessoas que tem ou pensam ter tanto poder que não têm de cumprir a LEI.

pub
pub
pub
pub