Banca & Finanças PSD levanta dúvidas sobre relatório do PS sobre Elisa Ferreira

PSD levanta dúvidas sobre relatório do PS sobre Elisa Ferreira

A votação dos relatórios da comissão de Orçamento sobre os novos membros da administração do Banco de Portugal foi adiada. O PSD afirma ter dúvidas sobre a "independência no desempenho de funções face ao Governo".
PSD levanta dúvidas sobre relatório do PS sobre Elisa Ferreira
Miguel Baltazar
Lusa 14 de julho de 2017 às 17:25

Os deputados da comissão de orçamento e finanças adiaram esta sexta-feira, 14 de Julho, as votações do relatório da audição de Elisa Ferreira, nomeada como vice-governadora do Banco de Portugal (BdP).

 

Inicialmente, o adiamento da votação do relatório de Elisa Ferreira foi pedido pelo PSD, depois de Leitão Amaro ter manifestado dúvidas quanto a alguns pontos do relatório elaborado pelo socialista João Galamba.

 

Já em declarações à Lusa, Leitão Amaro disse que as "recentes declarações públicas" de Elisa Ferreira, que actualmente é administradora do Banco de Portugal, e outras posições desta permitem ter dúvidas sobre a sua "independência no desempenho de funções face ao Governo".

 

Contudo, após o debate, foi também decidido adiar as votações dos relatórios das audições de Luís Máximo dos Santos, também proposto para o cargo de vice-governador do Banco de Portugal, e de Luís Laginha de Sousa, no âmbito da proposta de designação para o Conselho de Administração do Banco de Portugal.

 

As votações deverão acontecer na próxima semana.

Falta estabilizar Montepio

 

Em Junho, quando esteve no Parlamento, Elisa Ferreira, responsável pela supervisão bancária no BdP, realçou que durante o último ano houve um reforço do sistema bancário, nomeadamente em entidades como a CGD, BCP e BPI, faltando vender o Novo Banco e estabilizar o Montepio.

 

"Falta estabilizar um banco, que não é sistémico mas é prioritário, que é a Caixa Económica Montepio Geral", afirmou Elisa Ferreira durante a audição no Parlamento no âmbito da sua promoção a vice-governadora do banco central português.

 

A responsável também sublinhou que "falta terminar a venda" do Novo Banco, mostrando-se confiante na conclusão do processo.

 

De resto, Elisa Ferreira disse aos deputados que integram a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA) que, actualmente, "a grande diferença entre a banca portuguesa e a banca europeia são os activos não produtivos [NPL]", que levam à necessidade de reconhecimento de elevadas imparidades, o que explica a diferença de rentabilidade face aos congéneres europeus.

 

"Daí a importância de ajudarmos a banca a fazer a limpeza desses activos. O problema é dos accionistas, mas cabe-nos apoiar os bancos nesse processo", destacou.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tentando Perceber Há 5 dias

Se calhar está a pensar naquelas jogatinas baixas, PSD, do tipo, Isaltino Morais, Juiz, Candidato á Câmara, parece que tudo Laranja, há, não esquecendo o José Sócrates, que um dia a verdade rebentará como uma Castanha, será daquelas bombas, Uiii

pertinaz 15.07.2017

A ESCUMALHA ARRANJOU UMAS TOUPEIRAS PARA ADMINISTRADORES DO BdP... VERGONHOSO...!!!

pub
pub
pub
pub