Banca & Finanças PSD pede explicações "urgentes" a Costa sobre reuniões de Domingues com a Comissão

PSD pede explicações "urgentes" a Costa sobre reuniões de Domingues com a Comissão

Luís Montenegro admite que presidente da Caixa possa ter tido acesso a informação privilegiada quando ainda estava no BPI e exige que o primeiro-ministro retire "consequências" no Governo e no banco público.
PSD pede explicações "urgentes" a Costa sobre reuniões de Domingues com a Comissão
"O PSD espera que de uma vez por todas o primeiro-ministro não se esconda atrás de um álibi", afirmou Montenegro
Bruno Simão
Marta Moitinho Oliveira 24 de Novembro de 2016 às 11:17
O PSD quer esclarecimentos "urgentes" do primeiro-ministro sobre a participação de António Domingues em reuniões com a Comissão Europeia no âmbito do processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), antes de ser líder do banco público, e exige que sejam retiradas "consequências" no Governo e também dentro do banco público desses factos.

"Tem de haver um esclarecimento cabal do primeiro-ministro", disse o líder parlamentar social-democrata, Luís Montenegro, numa conferência de imprensa no Parlamento, acrescentando que Costa é "o mentor" de todo este processo que dizer ser "opaco". Montenegro defendeu que depois desses esclarecimentos, que classificou de "urgentes", "tem de haver consequências quer no âmbito do Governo quer no âmbito da CGD", sob pena de o banco do Estado ficar "fragilizado". 

"O PSD espera que de uma vez por todas o primeiro-ministro não se esconda atrás de um álibi", afirmou o parlamentar, questionando António Costa sobre "quem mandatou António Domingues" para estar presente nas reuniões.

O secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, garantiu, em declarações ao Público e à TSF esta manhã, que não houve "informação confidencial" prestada nas duas reuniões em que António Domingues, presidente da CGD, esteve em Bruxelas e Frankfurt, antes de assumir o cargo no banco público e numa altura em que ainda era administrador do BPI. O objectivo era avaliar as condições do gestor para o cargo, que dependiam de decisões de organismos externos.


A primeira reunião aconteceu a 24 de Março, poucos dias depois do convite ter sido feito a Domingues, com Daniel Nouy, presidente do mecanismo único de supervisão europeu, um órgão ligado ao BCE. A segunda, a 7 de Abril, foi com a Direcção-Geral de Concorrência (DGCOMP), mas não contou com a presença da comissária europeia para a Concorrência e sim com o alemão que dirige este departamento.

Na quarta-feira, a Comissão Europeia e o BCE confirmaram a eurodeputados do PSD que existiram reuniões em que Domingues participou sem no entanto revelar datas (que vieram a ser conhecidas esta manhã através do Público e da TSF). 

Estas reuniões aconteceram antes de António Domingues entrar para a Caixa (o que só ocorreu ao 31 de Agosto) e quando ainda era administrador do BPI (de onde só saiu a 30 de Maio).

Luís Montenegro lembrou que o PSD já fez 30 perguntas ao Governo sobre esta matéria e defendeu que estas "não foram respondidas cabalmente". Além disso, o deputado social-democrata salienta que "se a informação [que António Domingues tinha na altura] era informação pública então ela deve ser facultada ao Parlamento". 

O deputado acrescenta que pode existir um "manifesto conflito de interesses" no facto de Domingues ainda ser administrador do BPI e estar nas reuniões com a Comissão e o Banco Central Europeu sobre no âmbito do processo de recapitalização do banco público. 




A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ÉTICA É COISA QUE SEMPRE PASSOU AO LADO DE PASSOS Há 1 semana

A guerrilha que Passos mantém sobre a não entrega de declarações pelos administradores da CGD é apenas e tão-só um pretexto camuflado e hipócrita para esconder o verdadeiro motivo, que é inviabilizar a recapitalização da CGD com fundos públicos, para que a CGD tenha de se abrir aos privados
PONTO

Anónimo Há 1 semana

AQUI ESTÁ MAIS UMA ESPERANÇA PERDIDA E QUE SE AFUNDA CADA VEZ MAIS COM A COLAGEM AO PSICOPATA DO PASSOS.O OCULINHOS (Marco António) JÁ DESCOLOU E TU NÃO VÊS MONTENEGRO QUE JÁ NINGUÉM TEM PACIÊNCIA PARA OUVIR O PASSOS? ERAS UMA ESPERANÇA DOS DESERDADOS ASSIM NEM COM OS ELOGIOS DO PRESIDENTE ACORDA!

Anónimo Há 1 semana

Tou zé!
Daqui fala o Domingues
Olha Zé o governo vai meter 5 mil milhoes de Euros na CGD! Podes comprar accoes tu e a tua familia inteira hoje antes que saiam as noticias amanhã. Depois dás-me `50% do que ganhares.
Obrigado Domingues vou ja comprar! vamos fazer uma fortuna!

Anónimo Há 1 semana

ISTO N MERECE COMENTÁRIOS. PSD CHEIRA MAL C TANTO ENTULHO Q VEM DEITADO P CIMA DO PROBLEMA.
SE FOSSE C ELES ESTAVA TUDO LEGAL E S PROBLEMAS. O Q ELES Q TODA A GENTE SABE. PRIVATIZAR A CAIXA P OS AMIGOS. SE N T SAÍDO JÁ TUDO TINHA SIDO VENDIDO A PREÇO DE SALDO.
CALEM ESTES PANOIAS EM DELÍRIO.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub