Banca & Finanças PSD diz que "falta transparência" na recapitalização da CGD

PSD diz que "falta transparência" na recapitalização da CGD

Maria Luís Albuquerque diz que não se sabe "o que vai fazer a Caixa, depois dessa recapitalização", esperando que não seja para a instituição se sentar "em cima de uma almofada de capital e não conceder crédito".
PSD diz que "falta transparência" na recapitalização da CGD
Cátia Barbosa/Negócios
Lusa 08 de Outubro de 2016 às 14:34
A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque criticou este sábado, 8 de Outubro, a "falta de transparência" que tem envolvido a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e alertou que ninguém sabe ainda quanto é que o processo vai custar.

"A minha esperança é que [o processo] se traduza numa Caixa capaz de actuar. Mas nem essa garantia temos. O que sabemos, para já, é que vai sair caro, mas não sabemos quanto nem para quê", afirmou a ex-ministra das Finanças, no Porto, durante o colóquio "A Banca - o Presente e Futuro", promovido pelos Trabalhadores Social Democratas (TSD).

Para Maria Luís Albuquerque, "se há coisa que este processo não tem tido é qualquer transparência".

"Acho que ninguém pode afirmar seriamente que há uma vitória [com a aprovação do plano de recapitalização por parte da União Europeia]. Não sabemos quanto se conseguiu nem o que vamos pagar por isso. Nem os contribuintes, nem os trabalhadores ou os clientes da Caixa", frisou.

Notando que não se sabe, também, "o que vai fazer a Caixa, depois dessa recapitalização", a social-democrata disse esperar que não seja para a instituição se sentar "em cima de uma almofada de capital e não conceder crédito".

"Foi-nos transmitido que tinha sido conseguida uma grande vitória do Governo porque as autoridades europeias permitiram uma recapitalização. Mas não sabemos quanto custa. O número de trabalhadores que vão perder o seu emprego, quantos são? O negócio da Caixa que vai ter de ser alienado, o que é que isso representa? Em que mercados vai deixar de estar presente? Onde é que deixa de dar apoio aos emigrantes? Em África? Vai sair da Europa?", questionou Maria Luís Albuquerque.

De acordo com a ex-ministra, não se sabe "ao certo, sequer, quanto dinheiro vai ser posto" na CGD.

"Aparentemente, há um limite máximo, mas o valor exacto está dependente do resultado de auditorias que ainda estão a decorrer", disse.

Durante o colóquio, o presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Faria de Oliveira, sustentou que a solução para a crise da banca nacional "devia ser europeia".

O responsável acrescentou que Christine Lagarde, directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) já defendeu, também, "a utilização de um mecanismo europeu para resolver um problema que é sistémico".

A Comissão Europeia anunciou no fim de Agosto ter chegado a um acordo de princípio com o Governo português para a recapitalização da CGD "em condições de mercado".

De acordo com um porta-voz do executivo comunitário, as autoridades portuguesas irão injectar 2,7 mil milhões de euros no capital da CGD, transferir as suas acções ParCaixa para a CGD e converter em capital 900 milhões de euros de instrumentos de capital contingente (as chamadas 'CoCo bonds'), segundo a mesma fonte.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.10.2016


FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as reformas da CGA.

Fica aqui a lista do pilim que a CGA consome ao OE (e que todos os contribuintes pagam):

Milhares de € - Pordata

Ano - Receitas CGA / Trf Orç. Estado / Despesa total

2008 - 2.298.320,0 / 3.396.097,0 / 6.705.927,0

2010 - 3.453.777,2 / 3.749.924,6 / 7.489.193,3

2012 - 2.846.863,0 / 4.214.632,7 / 7.196.785,9

2015 - 4.927.319,1 / 4.601.342,3 / 9.528.661,4



comentários mais recentes
Maria 08.10.2016

Como PSD peço que te cales e deixes o Partido. Contigo nunca mais ganhamos nada! Desapareçam no buraco de onde vieram!

Anónimo 08.10.2016

POSSO ESTAR ENGANADO:quanto menos vezes esta sra. luisa aparecer em cena,mais o partido ganha.Deixou um trabalho horrivel no ministerio por onde passou,as dividas dos transportes publicos ate metiam medo e ela sempre a puxar a porcaria para a divida publica.

Anónimo 08.10.2016


FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as reformas da CGA.

Fica aqui a lista do pilim que a CGA consome ao OE (e que todos os contribuintes pagam):

Milhares de € - Pordata

Ano - Receitas CGA / Trf Orç. Estado / Despesa total

2008 - 2.298.320,0 / 3.396.097,0 / 6.705.927,0

2010 - 3.453.777,2 / 3.749.924,6 / 7.489.193,3

2012 - 2.846.863,0 / 4.214.632,7 / 7.196.785,9

2015 - 4.927.319,1 / 4.601.342,3 / 9.528.661,4



Anónimo 08.10.2016


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

pub
pub
pub
pub