Web Summit Qual o papel da Google na propagação de fake news?

Qual o papel da Google na propagação de fake news?

Matt Brittin, responsável da Google, admite que a empresa não tem feito “o melhor trabalho”, mas tem reforçado os esforços para combater a disseminação de notícias falsas.
Qual o papel da Google na propagação de fake news?
Bruno Simão/Negócios
Sara Ribeiro 09 de novembro de 2017 às 12:31

A relação entre a Google e a Europa não tem sido fácil. Com Bruxelas de olho nas operações da gigante norte-americana, a Google tem sido obrigada a alterar padrões da sua actividade para evitar novas multas.

 

Segundo Matt Brittin, presidente de negócios e operações da Google para a Europa, a tecnológica tem trabalhado em conjunto com os reguladores europeus para chegaram a consenso.  Até porque, como sublinhou por diversas vezes no palco do Web Summit, a Europa é um "óptimo mercado devido à diversidade de culturas": Nunca existe uma altura melhor para ser empreendedor", reforçou.

 

O tema das fake news (notícias falsas) e do combate ao discurso de ódio que tem ganho novos contornos nos últimos tempos também não foi esquecido pelo responsável da Google. Matt Brittin admitiu que este "é um fenómeno recente" e que a Google "não tem feito o melhor trabalho" neste campo. Porém, nos últimos tempos tem reforçado o combate, por exemplo, através da remoção de  mais de 100 mil sites que usam este tipo de conteúdos.

 

"A Google tem trabalhado com várias organizações não governamentais para melhorar a eliminação destes conteúdos e tirá-los das plataformas o mais rapidamente", acrescentou.

 

O tema das fake news também tem estado em destaque no Web Summit, na quarta-feira a responsável do Centro de Estratégia Política Europeia de Bruxelas, Ann Mettler ,revelou que a Comissão Europeia está a  desenvolver acções, não regulatórias, para tentar controlar a disseminação de notícias falsas. E deixou o recado  às  tecnológicas: não podem fugir das suas responsabilidades.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub