Tecnologias Qualcomm rejeita oferta de 103 mil milhões da Broadcom

Qualcomm rejeita oferta de 103 mil milhões da Broadcom

A empresa formalizou a recusa da oferta apresentada pela rival: além de considerar que o preço avalia a companhia abaixo daquilo que é o seu valor real, uma operação de compra traria pesadas limitações em termos de concorrência, considera.
Qualcomm rejeita oferta de 103 mil milhões da Broadcom
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 13 de novembro de 2017 às 14:38
O fabricante de chips para dispositivos móveis Qualcomm rejeitou esta segunda-feira, 13 de Novembro, a oferta de compra apresentada pela sua rival Broadcom, avaliada em 103 mil milhões de dólares (88,2 mil milhões de euros à cotação actual) e que a concretizar-se seria o maior negócio de sempre neste sector.

"Depois de uma análise detalhada, conduzida com uma consulta aos nossos conselheiros financeiros e legais, a administração concluiu que a proposta da Broadcom subavalia dramaticamente a Qualcomm e reveste-se de uma incerteza regulatória significativa," afirmou o presidente da Qualcomm, Tom Horton, citado pela Reuters.

A proposta foi rejeitada pela unanimidade dos administradores, de acordo com comunicação enviada à SEC, o polícia dos mercados norte-americanos. "É crença unânime da administração que a proposta da Broadcom subvaloriza a Qualcomm em relação à posição de liderança na tecnologia móvel e às nossas perspectivas futuras de crescimento," afirmou Paul Jacobs, presidente executivo da Qualcomm.

Esta é a formalização de uma notícia já avançada ontem pela mesma agência noticiosa, que citava fontes próximas do processo. Já no próprio dia 6 de Novembro - quando, há uma semana, se conheceu a oferta lançada pela Broadcom - a Bloomberg avançava que as questões do preço e da concorrência deveriam ser os obstáculos a travar o negócio.

As acções da Qualcomm avançam 1,58% em período pré-mercado, para 65,59 dólares, ao passo que as da Broadcom cedem 0,72% para 263,06 dólares.

A Qualcomm - que fabrica para marcas como a Apple, Samsung ou LG, nomeadamente permitindo a ligação dos smartphones às redes wireless - procura ainda por seu lado fechar a sua oferta pela empresa fabricante de chips NXP Semiconductors NV, avaliada em 38 mil milhões de dólares.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub