Media Quanto paga a Altice para ficar com a TVI?

Quanto paga a Altice para ficar com a TVI?

A Altice foi longe no preço oferecido pela Media Capital. A empresa é avaliada em 440 milhões de euros. Tem uma dívida de 100 milhões.
Quanto paga a Altice para ficar com a TVI?
Miguel Baltazar
Alexandra Machado 14 de julho de 2017 às 10:04
A Altice e a Prisa comunicaram o negócio de compra da Media Capital por um valor da empresa de 440 milhões de euros.

Este valor implica que a Prisa receba pela venda de quase 95% da sua posição na Media Capital um valor superior a 320 milhões de euros, de acordo com o comunicado da Prisa. Além disso, implica a assumpção da dívida da Media Capital que atinge 100 milhões de euros.

"A aquisição avalia a Media Capital com um valor de empresa de 440 milhões de euros", incluindo a dívida e os ajustamentos no fundo de maneio, diz um comunicado da Altice que garante que o impacto desta operação seja imediato ao nível do "free cash flow" da francesa. 

De acordo com as contas trimestrais da Media Capital, o passivo é de 170 milhões. Para um endividamento líquido de quase 100 milhões de euros.

Se considerado todo o valor empresarial implícito na operação, a Altice está a pagar tendo em conta um múltiplo de quase 10 vezes o EBITDA. Em 2016, a Media Capital teve um EBITDA de 41,5 milhões de euros.

Os valores do negócio que estavam a ser falados eram em torno dos 450 milhões de euros, o que os analistas consideravam elevado. 

Além do valor que terá de pagar à Prisa, pelos 94,69% que os espanhóis detêm, a Altice teve de lançar uma OPA obrigatória, na qual se propõe comprar os 5% remanescentes. O que avalia esta compra da posição de minoritários em 11,5 milhões de euros. A maior parte da posição dos minoritários está concentrada no caixa económica galega NCG Banco, que detém 5% dos 5,13% ainda dispersos no mercado.

Tendo em conta os 2,5546 euros oferecidos pela Altice, a Media Capital ficaria avaliada em 215,9 milhões de euros. 

A Prisa já fez saber que deverá ter menos-valias nas contas individuais de 81 milhões de euros e nas consolidadas de 69 milhões.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Para entender a crise de equidade e sustentabilidade que tem afectado as economias desenvolvidas e posto territórios como os de Portugal e Grécia nas más bocas do mundo, é fundamental perceber que para uns serem excedentários ou pagos acima do preço de mercado, outros têm que pagar mais caro quando consomem bens e serviços, pagar mais taxa de imposto quando são tributados, obter menor retorno sobre o investimento quando investem, poupar menos quando aforram, ser pior remunerados, abaixo do seu preço de mercado, quando oferecem trabalho com real procura...

comentários mais recentes
Mario Há 1 semana

Paga muito mais do que devia, isso é dado assente. A realidade do mundo parece ser a que alguém escreveu. Quem pode mudar, não quer e quem quer, não pode. De uma forma ou outra, no fim, vamos todos numa descarga de autoclismo. Ontem foi o Amorim e muitos mais, hoje outros seguirão. As descargas não param nunca, mesmo em sociedades ricas o que é extraordinário.

Anónimo Há 1 semana

Economias, sociedades e culturas mais ricas e desenvolvidas têm os investidores activistas. Poortugal fica-se pelos governadeiros activistas. Triste realidade.

Anónimo Há 1 semana

Para entender a crise de equidade e sustentabilidade que tem afectado as economias desenvolvidas e posto territórios como os de Portugal e Grécia nas más bocas do mundo, é fundamental perceber que para uns serem excedentários ou pagos acima do preço de mercado, outros têm que pagar mais caro quando consomem bens e serviços, pagar mais taxa de imposto quando são tributados, obter menor retorno sobre o investimento quando investem, poupar menos quando aforram, ser pior remunerados, abaixo do seu preço de mercado, quando oferecem trabalho com real procura...

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub