Empresas Quatro em cada dez portugueses chegam atrasados ao emprego

Quatro em cada dez portugueses chegam atrasados ao emprego

A deslocação para o trabalho provoca ansiedade logo ao acordar e 24% dos profissionais já começam o dia stressados por causa dessa viagem. Apesar de afectar a pontualidade, 80% optam pelo carro.
Quatro em cada dez portugueses chegam atrasados ao emprego
Paulo Duarte
António Larguesa 11 de Outubro de 2016 às 16:06

Um estudo sobre o impacto das deslocações casa-trabalho mostra que 41% dos portugueses admite chegar tarde ao trabalho, isto embora Portugal, entre os países europeus analisados, seja aquele em que, em média, as pessoas perdem menos tempo a chegar ao emprego.

 

Quase um quarto dos inquiridos (24%) pela empresa de recrutamento Michael Page (MP) reconhece que já começa o dia de trabalho "stressado e ansioso" depois desta viagem diária. Para chegar atempadamente, 40% acordam entre as 6h e as 7h e há mesmo 16% que despertam ansiosos com a perspectiva de terem de fazer esse percurso.

 

Apesar dos efeitos negativos na saúde e na produtividade, só um em cada três considera "provável" mudar de local de trabalho para evitar perder tanto tempo nas deslocações – a média europeia é de 39,5% –, sendo que o final do dia de trabalho não é mais relaxante: 70% dos inquiridos diz que ruma directamente a casa e não se dedica a qualquer actividade de lazer.

 

Considerando "preocupante" esta ansiedade só pelo vislumbre da deslocação para o trabalho, o director-geral da MP, Álvaro Fernández, cita vários estudos médicos que dizem que "o stress provocado pelas deslocações para o trabalho pode contribuir para o aumento da pressão arterial, distúrbios músculo-esqueléticos e desempenho cognitivo".

 

Os transportes públicos são apontados como um meio de deslocação stressante por 28% dos portugueses inquiridos pela Michael Page.
Os transportes públicos são apontados como um meio de deslocação stressante por 28% dos portugueses inquiridos pela Michael Page.

 

De acordo com o mesmo estudo, que inquiriu um total de 12 mil pessoas em vários países europeus, a maior parte (37%) dos portugueses demora diariamente entre 15 a 30 minutos para realizar o percurso casa-trabalho e "apenas" 25% precisam de mais de 45 minutos para chegar ao emprego.

 

E mesmo afectados pelo tempo da deslocação e pela imprevisibilidade do trânsito e dos acidentes de viação, que influencia negativamente a pontualidade, oito em cada dez opta todas as manhãs pelo meio de transporte próprio, muito acima da média europeia (66%). E só 19% partilham o veículo.

 

Os transportes públicos são considerados pouco eficientes por 30% dos inquiridos e 28% indica-os como um meio de deslocação stressante. Já no universo de quem usa o autocarro, comboio ou metro para chegar ao emprego, são apontados como benefícios o facto de serem mais económicos (69%) e a forma mais rápida de se deslocarem (54%).




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado 5640533 Há 2 semanas

São no mínimo 2 em 4 e não é por causa da viagem até ao trabalho. Quanto às horas extras não pagas e assim: eles fazem de conta que me pagam e eu faço de conta que trabalho.

comentários mais recentes
5640533 Há 2 semanas

São no mínimo 2 em 4 e não é por causa da viagem até ao trabalho. Quanto às horas extras não pagas e assim: eles fazem de conta que me pagam e eu faço de conta que trabalho.

pertinaz Há 2 semanas

SÓ 4 ???

DEVE HAVER ENGANO NESSA ESTATÍSTICA

Virgilio Tabosa Há 2 semanas

Mas para sair ja estao preparados 15 minutos antes

Joao Antonio Camoes Há 2 semanas

o estudo tem distribuição geografica?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub