Empresas Quem são os professores canadianos que vão mandar nos funerais dos portugueses?

Quem são os professores canadianos que vão mandar nos funerais dos portugueses?

O Ontario Teachers' Pension Plan, que acaba de ficar com a maioria do capital da Servilusa, consolida as poupanças para a reforma de perto de 300 mil professores canadianos.
Quem são os professores canadianos que vão mandar nos funerais dos portugueses?
Joaquim José/Correio da Manhã
Tiago Freire 20 de julho de 2017 às 18:56

São canadianos, são professores e já têm o hábito de investir em Portugal. É o Ontario Teachers' Pension Plan que, como o nome indica, agrega e investe as poupanças para a reforma dos professores – no activo e já reformados – daquela província do Canadá.

Foi conhecida esta quarta-feira a compra, pelo Ontario Teachers, da maioria do capital do grupo ibérico Mémora, que lidera o segmento de serviços funerários em Espanha e Portugal, no nosso país através dos 100% detidos na Servilusa.

Em Espanha, a Mémora explora e gere 130 empresas funerárias, 129 morgues, 26 crematórios e 23 cemitérios, contando com 1.250 trabalhadores no país. Em Portugal tem a Servilusa, que conta com 300 profissionais e onde o grupo foi pioneiro na construção das primeiras morgues e crematórios em Elvas, Figueira da Foz e Cascais. Este sector tem sido alvo de apostas do Ontario Teachers, que comprou recentemente um operador de crematórios em Inglaterra.


Mas esta não é a primeira vez que o grande investidor canadiano tem contacto com empresas portuguesas. O maior fundo de pensões do Canadá já foi accionista de referência de uma das maiores cotadas nacionais, a Portugal Telecom. Em Dezembro de 2008, no âmbito de uma recompra de acções próprias da operadora, foi ultrapassado pela primeira vez o limiar da participação qualificada de 2%. Esta posição qualificada foi mantida até Maio de 2014.

Desde então, não foram conhecidos mais investimentos em cotadas nacionais, apesar de os canadianos terem várias apostas em acções pelo mundo fora. No final de 2015, foi noticiada a ligação do Ontario Teachers' Pension Plan com a Incus Capital, para o investimento em PME portuguesas em processo de reestruturação, embora não sejam conhecidos os desenvolvimentos concretos dessa parceria.

De acordo com o relatório e contas do Ontario Teachers' Pension Plan, o grupo fechou 2016 com activos sob gestão no valor de 175,6 mil milhões de dólares canadianos, uma valorização de 4,2% durante o exercício. Em termos de política de investimento, tanto aposta em posições minoritárias em empresas cotadas como tem músculo suficiente para comprar companhias privadas, muitas vezes numa lógica de 'private equity', para as desenvolver. 

Abrange actualmente 318 mil professores canadianos, no activo e reformados, e emprega mais de dois mil funcionários, a maioria dos quais na Cadillac Fairview, subsidiária para o investimento e desenvolvimento imobiliário. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 20.07.2017

Portugal dá os mortos, está condenado a pagar os serviços fúnebres e ainda se dá ao luxo de ter um esquema Ponzi de prestações sociais em vez de poderosos fundos de pensões como os norte americanos.

comentários mais recentes
Pinto 21.07.2017

Os fundos de pensões investem em negócios estáveis, que gerem cash flows recorrentes para pagar as prestações aos associados. E que negócio é mais certo que a morte?

Anónimo 20.07.2017

Portugal dá os mortos, está condenado a pagar os serviços fúnebres e ainda se dá ao luxo de ter um esquema Ponzi de prestações sociais em vez de poderosos fundos de pensões como os norte americanos.

pub
pub
pub
pub