Empresas "Hedge fund" ganha milhões com queda do Barclays

"Hedge fund" ganha milhões com queda do Barclays

Um dos mais bem sucedidos "hedge funds" de Londres ganhou 12 milhões de libras em apenas quatro dias ao apostar na queda das acções do Barclays, noticiou o "The Guardian". O Lansdowne Partners fez também enormes ganhos com a queda dos títulos do Northern Rock. Este caso renova a controvérsia em torno desta estratégia, uma semana após ter sido levantada a proibição de "short selling" no Reino Unido.
Ana Luísa Marques 23 de janeiro de 2009 às 11:38
Um dos mais bem sucedidos "hedge funds" de Londres ganhou 12 milhões de libras em apenas quatro dias ao apostar na queda das acções do Barclays, noticiou o "The Guardian". O Lansdowne Partners fez também enormes ganhos com a queda dos títulos do Northern Rock. Este caso renova a controvérsia em torno desta estratégia, uma semana após ter sido levantada a proibição de "short selling" no Reino Unido.

Em apenas quatro dias o "hedge fund" Lansdowne Partners ganhou 12 milhões de libras ao apostar na queda das acções do Barclays. De acordo com o jornal britânico "The Guardian", o "hedge fund" vendeu acções do banco na passada sexta-feira – dia em que os títulos perderam mais de 24% - e voltou a comprá-las outra vez na quarta-feira. Entre sexta e quarta-feira, as acções caíram mais de 32%.

Na passada sexta-feira, a Autoridade de Serviços Financeiros britânica levantou a proibição de "short-selling", que tinha sido estabelecida em Setembro para proteger as acções do HBOS. O banco estava na altura a ser alvo de uma oferta pública de aquisição por parte do Lloyds.

Apesar da forte queda das acções do Barclays, do Royal Bank of Scotland e do Lloyds Banking Group, a Autoridade de Serviços Financeiros (FSA, sigla em inglês) defende que a culpa não é do "short-selling".

No entanto, desde sexta-feira, as acções do Lloyds caíram mais de 52%, as do Royal Bank of Scotland perderam mais de 66% e as do Barclays mais de 47%.

Só na segunda-feira, o Lloyds caiu mais de 39% e o Royal Bank of Scotland mais de 71%.

O levantamento da proibição de "short selling" está a levantar polémica entre a FSA e o Governo britânico, já que o ministro das Finanças, Alistair Darling, defende que a proibição deve permanecer.


A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
helcion1 27.01.2009

os abutres continuam a disputar as carcassas até chegarem ao tutano e os governos assitem ao espetáculo, lindo!

ShakaZoulou 23.01.2009

Em julho bateram-se recordes nas commodities, sem correspondência com as alterações das taxas de oferta e procura das mesmas, para onde haviam de ir os juros baixos e a fabricação artificial de dinheiro, imagine-se agora se ñ existisse o short selling! Mais, as companhias financeiras "amigas" (quere-se a economia a crescer a qualquer custo) emprestaram dinheiro para que as pessoas/empresas comprassem bens móveis e imóveis sem a exigência de entradas iniciais, logo no dia da compra se a pessoa/empresa deixasse de pagar o crédito, o valor do bem ñ dava para cobrir a dívida, eu vejo isso, como vejo tb as acções dessas empresas financeiras a subir, mas ñ posso fazer short selling pk vou desvirtuar o mercado e lançar o pânico, as acções subirem sem sustento é que faz parte do mercado legal. O regulador de mercado que regule apenas o necessário; que o direito à propriedade seja protegido, que os contratos sejam cumpridos, se efectuados de boa fé e no interesse de todas as partes intervenientes, que as regras ñ sejam alteradas ao sabor do vento e que o valor facial da moeda correponda ao valor real.

ShakaZoulou 23.01.2009

O short selling é o mesmo que a compra longa, mas ao contrário, para se proibir o short tb devia-se proibir que o preço das acções ultrapasse valor intrinsco, acabe-se com o mercado. Um exemplo, um artista francês fez uma escultura, que ñ é mais que umas latas de atum, mas rotulada como "Merde d"artist 1 pound" e vendeu-as ao preço do ouro literalmente, a algum tolo? Ñ de todo pk quem as comprou ao artista revendeu-as com lucro e este encontrou alguém ainda mais tolo, pois tb lucrou. No meio desta pirâmide quem vai ser o último tolo e a que preço?! Às uns anos a lata nº63 com uma onça (30 gr) de "Merde d"artist" foi vendida por 15000€! É a arte logo o valor é muito subjectivo. Mas será que algumas acções ñ são as latas nº1, nº2 e por ai fora? Sendo assim bem vindo short selling, para mostrar ao tolo o quão tolo é!

quico_jneg 23.01.2009

Vamos ver daqui a 6 meses quem é o proximo a suicidar-se . È claro que se o alguem ganhou muito alguem vai pagar o que esse ganhou, logo alguem esta muito mal na fita. Jornalista de investigação é descubrir quem perdeu para que os seu credores possam sair a tempo de não ser arrastados.

ver mais comentários
pub