Banca & Finanças Ramalho acredita em venda do Novo Banco em 2016

Ramalho acredita em venda do Novo Banco em 2016

Na semana passada, realizaram-se novas conversações com os interessados do Novo Banco mas o presidente da administração da instituição financeira espera uma decisão ainda este ano.
Ramalho acredita em venda do Novo Banco em 2016
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 23 de Novembro de 2016 às 12:01

António Ramalho acredita que a instituição financeira que lidera, o Novo Banco, sairá da esfera do Estado até ao final deste ano.

 

O presidente da administração do banco herdeiro do Banco Espírito Santo adiantou afirmou que desde que assumiu o leme do banco, em Agosto desde ano, tem as mesmas expectativas: "que a mudança accionista seja realizada durante o ano de 2016".

 

A afirmação de António Ramalho, à margem do Fórum Banca organizado pelo Jornal Económico e a PwC que se realizou esta quarta-feira 23 de Novembro em Lisboa, é proferida depois de houve, na semana passada, uma nova ronda de negociações com os investidores que apresentaram propostas pelo banco na semana passada, como adiantou o Negócios.

 

Minseng Financial, Centerbridge/Apollo, Lone Star, BCP e BPI são os interessados que, a 4 de Novembro, mostraram intenção de adquirir o Novo Banco – nomes nunca confirmados oficialmente pelo Banco de Portugal. Contudo, em relação à venda, António Ramalho não quis falar aos jornalistas sobre o processo: "à gestão cabe gerir [o banco]; cabe ao Fundo de Resolução gerir a venda".

 

Em relação ao banco, Ramalho declarou que "o Novo Banco está numa situação de normalidade". "Cada vez mais normal", disse.

O Negócios noticia esta quarta-feira que na semana passada decorreu uma nova ronda negocial no processo de venda do Novo Banco. Na terceira semana de Novembro, responsáveis dos interessados na instituição financeira estiveram reunidos em Lisboa com representantes do Banco de Portugal e do Fundo de Resolução.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

Ó concidadão Ramalho, eu se fosse a si concentrava-me era na boa gestão do banco e não me metia na questão da sua venda. Isso é um problema de acionistas.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Caro JCG, está com dificuldade em interpretar o texto?
Dou uma ajuda no parágrafo:
«Contudo, em relação à venda, António Ramalho não quis falar aos jornalistas sobre o processo: "à gestão cabe gerir [o banco]; cabe ao Fundo de Resolução gerir a venda".»

Anónimo Há 2 semanas


Os ladrões de esquerda

A MALTA DA ESQUERDA É COMPOSTA POR DOIS GRUPOS:

1 - Os LADRÕES (Inclui os FP e seus pensionistas): que andam a encher os bolsos à custa dos portugueses;

2 - Os BURROS: que ajudam os anteriores a roubar o povo, em nome da ideologia.

JCG Há 2 semanas

Ó concidadão Ramalho, eu se fosse a si concentrava-me era na boa gestão do banco e não me metia na questão da sua venda. Isso é um problema de acionistas.

pub
pub
pub
pub